AS CONSEQUÊNCIAS DA VIOLÊNCIA

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

A mesma palavra violência já fala por si mesma sobre a força, a truculência, a covardia, o desrespeito e o desprezo.

A Violência é uma atitude contra a natureza, contra a vida, contra a dignidade e contra os direitos humanos.  A violência não constrói o melhor, mas nega os valores da dignidade humana.

O Livro da Bíblia, desde o Gênesis, fala da violência como um mal que gera mais iniquidade, a começar com a história de Caim e Abel, a perversidade dos homens e os crimes de Sodoma e Gomorra. O resultado foi a dispersão e a violência crescente dos povos.

 A história demonstra que a violência gera mais violência, apesar de o mundo ter sido criado harmonicamente. A raiva, as agressões físicas ou morais, os assassinatos, a eutanásia, o aborto e a pena de morte mostram a ausência do amor fraterno criando a desarmonia e a infelicidade entre os povos.

A violência tem aumentado por causa de fatores  como a lentidão do sistema jurídico que, além de tudo, favorece grupos privilegiados e desconhece o povo mais vulnerável; quem pode procura se proteger, fechando-se em seus condomínios, tornando-se refém da violência externa; o Estado corrompido desconhece as dificuldades da população como a falta de segurança, de saúde,  de escola para todos; o desgoverno corrompido gera um estado generalizado de insegurança; falta de trabalho e de emprego para as massas (13 milhões atualmente no Brasil); a ociosidade que provoca brigas,assaltos,  revoltas e assassinatos, levando muitos a quererem fazer justiça com as próprias mãos; o trafego de drogas e de mulheres para a prostituição.

Tanta anarquia provocada pela violência generalizada cresce vertiginosamente e clama por solução.

Existe o caminho da harmonia e da fraternidade, dado que a violência não traz progresso nem alegria para ninguém. Daí a necessidade de todos se unirem para reorganizar a sociedade baseada na cultura do diálogo e da paz e da paz, na ética e nos valores humanitários.

(Texto da Campanha da Fraternidade 2018 – Páginas 48 a 69)