Paróquia Sagrado Coração de Jesus.

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

Eu estava retornando ao Brasil, para a Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano, vindo dos Estados Unidos, MA, Marboroug, onde vivi e trabalhei por quatro anos, atendendo aos brasileiros emigrados naquele país e, ao mesmo tempo, eu celebrava para os americanos diariamente.

 Logo que cheguei, passei uns meses em Santa Maria de Itabira, ajudando aos colegas no atendimento pastoral, sem, entretanto, assumir nenhum cargo na Diocese.

 Há treze anos e cinco meses eu fui convidado para coordenar a Paróquia Sagrado Coração de Jesus – PSCJ – de Ipatinga, composta pelas comunidades de Águas, Bela Vista, Cariru, Castelo e Vila Ipanema. Sucedi ao jovem padre Rogério B. Hernandes.

Aceitar o desafio de ser pároco na PSCJ para mim foi mais um ato de obediência ao pedido de Dom Lara do que as minhas capacidades o permitiam. Aceitei a tarefa, disposto a aprender ser pároco de tão elevada Paróquia, que exigiria de mim esforço, oração, espiritualidade, preparo intelectual, conhecimento bíblico e teológico, além de grande vivência pastoral. Para o meu conforto, eu sabia que estava herdando uma porção de uma Igreja viva onde grandes padres como os Jesuítas, há hoje cinquenta anos, plantaram a Cruz redentora de Jesus Cristo com a bandeira da boa organização das comunidades, a formação das lideranças e o idealismo de evangelizar, catequizar e atender bem aos fieis era prioridade. A PSCJ estava bem fundamentada e incrementada pelos ensinamentos do Concílio Vaticano II. Eu sabia também que os desafios seriam enormes e me haveriam de me ensinar a ouvir, visitar as comunidades e tentar dar continuidade aos trabalhos pastorais propostos pelos últimos párocos como o Padre Efrain e o Padre Rogério.

Dom Lara me empossou como pároco no dia 01 de dezembro de 2001. Fui bem acolhido pelas lideranças em cada uma das cinco comunidades. As reuniões me mostraram alguns trabalhos que deveriam ser realizados, especialmente na área da pastoral, financeira e das reformas nos vários imóveis – que, aliás, nem pertencem à Paróquia, mas à Usiminas, exceto o imóvel da comunidade do Vila Ipanema, de Nossa Senhora de Fátima. A PSCJ não possuía casa paroquial.

AS PASTORAIS

A Paróquia existe para evangelizar e fazer o bem, envolvendo todos os fiéis nas atividades da evangelização, da catequese, da liturgia, do culto, dos estudos bíblicos, da catequese, aprofundando a fé, a esperança e a caridade. Por isso e para isso, valorizamos as reuniões de estudo bíblico para todos os paroquianos. É mantido na PSCJ semanalmente um estudo do Catecismo católico.

Procuramos celebrar os sacramentos com boa organização, envolvendo casais e jovens, especialmente o Batismo, a Confirmação e o Matrimônio. As crianças da catequese, da quinta etapa, tornam-se automaticamente coroinhas, servindo no altar e acostumando-se com os serviços litúrgicos.  Os Ministros da Palavra, do Matrimônio e da Eucaristia recebem uma formação longa, profunda, clara sobre o seu ministério. Mensalmente os Ministros participam de reuniões de formação. O pároco dá assistência às famílias enlutadas, indo ao cemitério para as celebrações de funeral. Os doentes são visitados semanalmente pelos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão levam a Eucaristia para os mesmos. O pároco visita os doentes e idosos duas vezes por ano. Há um atendimento individualizado e confissões para os interessados quarta, quinta e sexta feira na secretaria paroquial. Confissões comunitárias são realizadas sempre na Quaresma e no tempo do Advento.  O grupo do Apostolado da Oração é um dos grandes valores que enriquecem a PSCJ de fé e de apostolado evangelizador entre as famílias da comunidade paroquial. É dado total apoio aos Vicentinos, aos grupos e oração e aos jovens. Incentivamos os paroquianos a participarem das reuniões e celebrações convocadas pela Diocese. Compramos e distribuímos material da Campanha da Fraternidade anualmente para as diversas Escolas e Autoridades que vivem e trabalham no território da PSCJ. Coroações homenageando Nossa Senhora pelas crianças têm assegurado o seu espaço e são valorizadas, envolvendo pais e catequistas. Sobre a pastoral do Dízimo, faz-se um trabalho contínuo de conscientização e de participação, encantando os fieis para que se sintam chamados a participar desta pastoral. Damos assistência espiritual, litúrgica e social aos presos do CERESP, (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) na pastoral carcerária.

COMUNICAÇÃO

 Falo duas vezes de manhã na Rádio FM Grande Vale uma vez às 18h00 na rádio Vanguarda em Ipatinga, levando a catequese pelas Emissoras que nos dão essa oportunidade, além de mantermos uma celebração eucarística semanal na mesma Emissora AM. O Jornal mensal Coração Aberto é um periódico que circula as casas dos paroquianos, além de ser enviado para muitos amigos e para todas as paróquias desta diocese. Contém conteúdo de catequese para a formação dos fieis paroquianos. Há dez anos mantemos o site da paróquia: www.pscjdi.org.com.br

Estamos inaugurando a web rádio Sagrado Coração de Jesus. Está nos finalmente a aprovação da Rádio Comunitária que será mais um instrumento de comunicação da evangelização da PSCJ.

CONTINUIDADE NOS TRABALHOS PASTORAIS

Propusemos aos comunitários dar continuidade a todos os trabalhos pastorais e financeiros iniciados pelos meus sucessores nesta Paróquia. Não se poderia perder nada nem pensar que a paróquia estivesse nascendo com a minha chegada.

Aproveitando a experiência pastoral anterior, foram convocadas várias reuniões para se tentar envolver o máximo possível de fieis paroquianos. Assim se definiu melhor o trabalho do CPP e CFP (coordenação pastoral e financeira paroquial) e o CPC e CFC (coordenação pastoral e financeira de cada uma das cinco comunidades):

CPP e CFP: coordenador e vice, secretário e vice, tesoureiro e vice, juntamente com cinco Conselheiros representando, cada um sua respectiva comunidade.

CPC e CFC: coordenador e vice, secretário e vice, tesoureiro e vice. Juntamente com um representante de cada um dos cinco setores da pastoral na comunidade.

As comunidades foram divididas em cinco setores, para facilitar o engajamento e o trabalho de cada paroquiano, para que ninguém ficasse de fora das atividades pastorais e financeiras.

OS CINCO CS

As comunidades divididas em cinco Setores, cada nome começado pela letra C, formando-se os CINCO CS. As equipes deveriam ser formadas por fieis animados, voluntários que se dispusessem a trabalhar no seu setor específico:

- CONSERVAÇÃO: É a equipe dos fieis paroquianos que zela para conservar, consertar, oferecer infraestrutura para as atividades pastorais. Zelar pela parte hidráulica, elétrica, limpeza, planejamento das compras de qualquer material a ser utilizado na comunidade,

- CONTAS: Contabilidade. Zela pelas receitas e despesas da comunidade. Movimenta as finanças da comunidade. Organiza e planeja as compras. Faz os pagamentos dos funcionários e dos fornecedores.

- COMUNIDADE: Movimenta a comunidade nos vários momentos como: festas, folclore, música, arte, teatro. Incrementa a pastoral dos jovens, da família, dos vicentinos e dos vários trabalhos como barraquinhas, promoções e festividades.

- CULTO: Organiza todas as celebrações litúrgicas: sacramentos, novenas, grupos de oração, funerais, pastoral da saúde e da boa acolhida.

- CATEQUESE: Empenha-se em evangelizar e catequizar toda a paróquia, desde os mais novos até aos mais idosos.

Claro que nem tudo funcionou cem por cento. Mas, o trabalho dos Cinco Cs foi eficiente, rápido, coerente e efetivo. A PSCJ, de repente, deu um salto positivo em suas atividades pastorais e financeiras.

Um pacto de fidelidade foi firmado entre nós: respeito pelos colegas, dialogar sempre, utilizar-se do bom senso para as resoluções, realizar o que foi combinado em reunião, não criticar o ausente, clareza, prestação de contas, não repetir assuntos já resolvidos, trabalhar alegre e feliz, construindo o Reino de Deus.

OBRAS

Os imóveis da PSCJ, exceto o do Vila Ipanema, não pertencem à paróquia. São utilizados em regime de comodato com a Usiminas, o que é lamentável. Uma paróquia sem imóveis e sem casa paroquial fica limitada em suas atividades. Quando aqui cheguei, havia uma questão urgente a ser resolvida: reformar e ampliar as capelas e o C4 - (centro comunitário cristão do Cariru) - conseguir comprar um espaço para se construir a casa paroquial. 

UMA PARÓQUIA LIVRE

Com pouco dinheiro e com uma comunidade mais acostumada a ser “apadrinhada” pela Usiminas, eu devi “quebrar” a tradição do paternalismo e da dependência da Empresa. A Empresa assumia nossas obrigações de manter funcionando a paróquia. Para que os fieis adquirissem confiança em si mesmos e começassem a sentir o gosto da independência, liberdade e da dignidade humanas, tive que trabalhar sobre o respeito pela Empresa e sobre o valor e a força da comunidade unida. Não foi fácil, mas valeu e muito sentir o sabor da liberdade e da beleza do povo unido na fé e nas obras.

Assim, combinamos em reunião com as cinco comunidades o seguinte:

Vamos nos unir, conseguir o dinheiro e comprar um espaço para fazer a casa paroquial, dado que eu morava nos fundos do templo do Cariru

Vamos reformar o C4

Vamos reformar e ampliar o templo do Bela Vista

Vamos reformar e ampliar o templo e o salão comunitário do Vila Ipanema

Vamos construir a casa paroquial

Vamos conseguir no Castelo um espaço para as celebrações litúrgicas e as reuniões.

Vamos conseguir no Bairro das Águas um terreno para construirmos o templo e salão comunitário.

Sem dinheiro, mas, unindo os esforços, hoje, maio de 2015, podemos dizer que quase todas as obras almejadas foram construídas ou estão em andamento.

- É com prazer que contemplamos as obras concluídas da PSCJ: C4 com dois pisos servindo para a catequese, reuniões e encontros. Lembremo-nos que todas essas reuniões eram anteriormente realizas nos colégios existentes no terreno da paróquia: Colégio São Francisco, Escola Estadual Almirante Toyoda, Colégio Leonardo da Vinci, Instituto Educacional Marink Vieira, Albanese e João Walmick.

- A casa paroquial, de dois pisos, foi construída e preparada para receber os párocos, inclusive os doentes e idosos.

- O templo da comunidade de Bela Vista foi totalmente reformulado e ampliado, tendo como área oitocentos metros quadrados, além do segundo piso, onde serão construídas as salas de catequese e de encontros.

- A comunidade de Vila Ipanema derrubou a antiga capela e construiu outra com área quase o dobro do tamanho, além do salão que foi totalmente reformado, ampliado e adequado para a catequese e para os encontros de formação pastoral.

- A comunidade do Castelo, São Judas Tadeu e Nossa Senhora do Pilar, mesmo tendo ajudado bastante, teve a ajuda protetora da Usiminas que lhe construiu quase totalmente o templo com uma linda capela do Santíssimo Sacramento.

- Não conseguimos ainda um terreno para construir o Templo de Santa Rita no Bairro das Águas. Naquele bairro não se encontra espaço vago e onde haveria possibilidade de se construir. Tudo pertence à Usiminas que não nos cede mais terreno algum para o uso da paróquia.

O templo do Cariru pertence à Usiminas. Estamos fazendo todos os esforços para que possamos comprar,ganhar ou conseguir ajuda da Empresa para que possamos reformar e restaurar o Templo do Cariru. Se a Usiminas não se pronuncia a respeito, não devemos esperar sem poder agir, dado que o imóvel a ela pertence.

A PSCJ não está pronta. Novos desafios nos chamam para o trabalho árduo de missão permanente. Sobretudo a juventude e suas famílias necessitam e muito de ouvir o Evangelho e a ele se converter e ressuscitar para que se implante o Reino de Deus.

Padre Geraldo Ildeo Franco – maio 2015