SEGUNDA CARTA DE PAULO AOS TESSALONICENSES

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

O QUE IMPORTA NÃO É SABER QUANDO, MAS COMO ESPERAR O FIM DOS TEMPOS.

A segunda carta de Paulo, com três capítulos, aos Tessalonicenses, trata de assuntos também centrais encontrados na Primeira carta aos Tessalonicenses: como entender o cumprimento das promessas do retorno de Cristo e como agir enquanto O esperamos.

Parece que a segunda carta foi escrita logo após a primeira carta, (ano 58?) para corrigir a impressão de que ”o dia do Senhor é para já” – 2,2. O texto grego deste versículo pode ser também entendido assim: “o dia do Senhor está aí”.

A I Tessalonicenses afirma que a vinda do Cristo está perto – I Tess 4,13-18, mas também enfatiza que o aparecimento de Cristo será uma surpresa; não podemos saber o tempo exato do final dos tempos – I Tess 5,1-11.Não adianta imaginar que o Cristo voltará em breve e ficar pensando que as perseguições deveriam acabar. E com isso estavam perdendo a garra cristã de lutar pela construção do reino. A fé cristã se expressa neste mundo concreto e, por isso, jamais foge da luta ou teme o conflito. Não se pode acomodar ou cruzar os braços, como se não houvesse mais nada que fazer neste mundo, senão olhar para o alto à espera de que a solução caia de repente lá do céu. O importante é a urgência de assumir um comportamento vigilante e ativo nas situações de perseguição e de opressão: fé ativa 1,11- perseverança 2,5 – firmeza no testemunho 2,14- ânimo e coragem 2,17.  A luta deve ser mais corajosa nesta última etapa da espera do Messias. O comodismo e o fatalismo destroem a fé e desfazem o verdadeiro sentido da vida cristã.

 A ideia forte de II Tess está na oposta direção - não conseguimos saber o tempo exato, apesar de nós podemos saber que aquele dia do Senhor não virá de uma vez. Uma dura luta contra o demônio deve acontecer primeiro. A vinda vai durar algum tempo.

Os detalhes deste relato apocalíptico foram conhecidos para aqueles que receberam a carta. Então, a “rebelião”e a desordem-2,3-4,8 – e o mistério da desordem, ou a ausência do que se pode chamar de falta de ordem, 2,6 e “o que a está restringindo” são referências para as coisas que os que recebem a carta já conhecem, embora estes termos não sejam claro para nós. Mas está claro que, conhecendo a luta final com a falta de ordem, conclui-se que a luta será prolongada e o fim não deve acontecer tão logo. 

A mensagem de II Tess prepara a Igreja para um período de uma vida de luta prolongada nesta vida.

As implicações para a vida diária são claras: é importante continuar perseguindo a vida diária em uma regular e ordeira maneira, especialmente a vida de trabalho, como o mesmo Paulo trabalhava quando ele vivia entre eles – 3,6-13. “Quem não trabalha, também não coma” – 3,10 foi citada como uma máxima para uma vida correta sempre.  Este tema aparece também em I Tess; a ênfase é maior na segunda carta.

Muitos estudiosos explicam o contraste entre as duas cartas aos Tessalonicenses, colocando a segunda carta pouco tempo depois da primeira, talvez antes de Paulo ter escutado como a Igreja respondera à sua primeira carta. 

Quando ele ficou sabendo como estava confundindo a expectativa do iminente fim, ele escreveu, usando o termo com sinais apocalípticos- 2,3-4, para explicar que o fim não estava para acontecer em tão breve tempo, e para reforçar seu ensinamento sobre a exata conduta de vida.

Outros estudiosos acham difícil que Paulo tivesse gasto tempo dando ênfase em ensinamentos apocalípticos tão abruptamente. Tais estudiosos reforçam que o estilo da carta aponta para um diferente autor: a carta contém duas ações de graças - 1,3-4; 2,13-15; apenas I Tess entre as catas de Paulo tem este caráter.

Alguns outros estudiosos sustentam que a segunda carta é um acréscimo que pega da primeira um estilo que parece mais ter vindo de um escritor tardio do que de Paulo propriamente dito. Esta interpretação vê o autor da carta como um pseudônimo que usou o nome de Paulo, para esclarecer uma disputa sobre a escatologia entre os seguidores de Paulo em algum lugar mais tarde.

Pe. Gildeo – setembro 2017