LUCAS

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

O terceiro evangelho (Lc) foi escrito por Lucas, que escreveu também os Atos dos Apóstolos (compare Lc1, 1-4 com At 1, 1-2) e foi companheiro de Paulo (Cl 4, 14; Fm 24; 2Tm 4, 11). Ele escreveu mais ou menos no mesmo tempo de Mateus, depois da destruição do templo de Jerusalém (70dC). Mas, enquanto Mt escreveu para comunidades de judeu-cristãos, Lucas se dirigiu às igrejas fundadas por Paulo (com Silas, Timóteo, Tito e outros.) no mundo da cultura grega (ou helenista). De acordo com esta cultura, Lucas redigiu uma “história” (enquanto Marcos compôs um resumo do anúncio e Mateus,uma catequese a partir do tema da Lei). Não sendo testemunha ocular dos fatos, investigou os testemunhos antigos e compôs um evangelho “em boa ordem” (1,3), conforme as regras da historiografia de então. Ele usou como base o singelo evangelho de Marcos e a coleção de palavras de Jesus que encontramos também no evangelho de Mateus. Contudo, seu evangelho é uma obra autônoma e altamente original, e que contém muita coisa que não se encontra nos outros evangelhos.

A “história” que Lucas escreve não é uma obra acadêmica como fazem os historiadores de hoje, e sim, uma história teológica: organiza os dados de maneira a transmitir a imagem de Cristo (e da primeira igreja) que só a fé pode conceber.

Conteúdo geral

O evangelho de Lucas deve ser visto em conjunto com a segunda parte de sua obra, os Atos dos Apóstolos. Lucas situa o evangelho dentro da “história da salvação”, que abrange três épocas: o tempo da promessa (o Antigo Testamento), o tempo do cumprimento (Jesus) e o tempo final, que é o tempo do anúncio pela Igreja, descrito nos Atos dos Apóstolos; cf. Atos 1, 1-2).Em todos esses momentos atua o Espírito Santo de Deus: na inspiração dos antigos Profetas, na força que impele Jesus e na vida que inspira à Igreja.

1, 1-4 é um prólogo literário.

1,5 – 4,13: A mudança dos tempos (“divisor das águas”). Observamos as balizas temporais que o “historiador” Lucas coloca:

-1,5: no tempo de Herodes... Segue o paralelismo entre o surgimento, pelo poder de Deus, de João Batista e de Jesus. O texto é composto no estilo das narrativas do AT(lembra as histórias da infância de Sansão, de Samuel etc.). João Batista, “o maior”do AT, e Jesus, o iniciador da Nova Aliança e do Reino de Deus, são postos em confronto desde o seio materno.

- 2,1: no tempo do recenseamento de César Augusto... Nascimento e infância de Jesus.

- 3,1: no 15º ano do imperador Tibério... João Batista anuncia o Messias. Lucas resume a atividade de João até sua morte (3, 1-20), para depois mencionar que Jesus batizado por ele, inicia seu ministério, impelido pelo Espírito de Deus (3,21 -4,13). João encerra o tempo de espera, Jesus traz o cumprimento. Lc mostra a continuidade entre o antigo e o novo, mas faz também sentir a ruptura.

B. 4, 14-24, 53: A Promessa se cumpre: em Jesus Deus visita o seu povo, especialmente Jerusalém, de onde a salvação deve publicar-se para o mundo inteiro. Esse tempo articula-se em três momentos:

- Investido com o Espírito, Jesus assume sua missão na Galiléia (4, 14-9,50).

- A grande viagem missionária de Jesus passando pela Samaria (9,51-19,27).

- Os últimos dias em Jerusalém, com o ensino no templo, a última ceia, a paixão, morte e ressurreição (19,28-24,53).

Pode –se dizer que o Kairós, o tempo da Salvação, chega em momentos sucessivos: no nascimento de Jesus (1,5ss), no seu batismo por João (3,21ss), na sua pregação programática em Nazaré (4,13ss) e, sobretudo, no evento pascal, em Jerusalém (19,28ss).

 

Promessa

 

 

 

Cumprimento

Anúncio

              A mudança dos tempos

Em Jesus, Deus visita o seu povo

 

[Ant. Tes.:

1-2

3,1-20

3,21-4,13

4,14-9,50

9,51-19,27

19,28-24,53

[Atos dos

Lei e

Anúncio e

Pregação e

Batismo e

Pregação

Percorrendo

Jerusalém:

Ap.: A

Profetas]

nascimento

fim de João

inicio de

Na Galiléia

a terra de

Paixão, morte

Igreja, na

 

de João e

 

Jesus

 

Judeus e

e ressurreição

força do

 

de Jesus

 

 

 

 

Samaritanos

 

 

Espirito

 

Temas específicos

Além dessa visão de conjunto da história da salvação, podemos apontar diversas linhas temáticas que atravessam o texto do início até o fim:

- A graça e misericórdia de Deus, que se exprime na atenção prioritária dada aos pobres e aos pecadores.

- A gratuidade e universalidade da salvação: embora Lucas valorize muito a preparação da salvação durante o Antigo Testamento, ele mostra que o cumprimento ultrapassa o esperado; as fronteiras da etnia judaica são estreitas demais.

- Jesus, o novo Elias. Enquanto os outros evangelistas aproximam Elias de João Batista, Lucas acentua as semelhanças entre Jesus e o grande profeta do tempo dos reis de Israel: Elias fez um jejum no deserto, era movido pelo Espírito Santo, fazia milagres que manifestavam a misericórdia de Deus aos pobres, as viúvas, os estrangeiros, foi arrebatado ao céu, enquanto se espera sua volta... Lucas quer também sublinhar o aspecto profético do Messias, do Cristo (para corrigir a tendência de penar em alguém como o rei Davi).

- O tema da libertação: Jesus é aquele que vem libertar o povo, anunciar a liberdade aos cativos, instaurar o “ano da graça” do Senhor (cf. sobretudo 4, 16-21).

- A piedade (religiosidade) dos que aderem a Jesus e se tornam, em todos os grupos sociais-judeus, pagãos, pobres, ricos, homens, e de modo especial entre as mulheres, modelos para os cristãos do tempo vindouro.

- No “evangelho da infância”, Lucas descreve maravilhosamente o tipo da Fiel e Crente por excelência: Maria, a “cheia de graça” (1, 28.30).

- Por causa da atenção dada à fé e à prática cristã, podemos dizer que este evangelho é um espelho da vida cristã e um exemplo de anúncio “inculturado”.

Pe. Geraldo Ildeo Franco