Novena de Nossa Senhora de Fátima - 2016

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

1º DIA - 04/05/2016

ANIMADOR: Irmãos em Cristo, boa noite! Sejam todos bem vindos ao 1º dia da Novena de Nossa Senhora de Fátima e a Novena do Divino Espírito Santo. Em nossa novena deste ano iremos refletir sobre a Exortação Apostólica EvangeliiGaudium (a alegria do evangelho) que é a primeira Exortação Apostólica do pontificado do Papa Francisco. Hoje iremos conhecer a definição de alguns documentos relativos a temas da fé que existe em nossa igreja.

 

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR:Hoje iremos conhecer a definição dos documentos usados pela Igreja Católica.

 

Leitor(a): Uma bula é um documento pontifício relativo a temas de fé ou de interesse geral, concessão de graças ou privilégios, assuntos judiciais ou administrativos, expedido pela Chancelaria Apostólica, estampado com tinta vermelha. 

O termo "bulla" vem do latim e é empregado referindo-se à forma externa de um documento, que antigamente era lacrado com uma pequena "bola" (cápsula metálica redonda). O lacre era utilizado para proteger o selo de cera unido por um cordão a um documento de especial importância, com a finalidade de certificar sua autenticidade e autoridade. 

Com o passar dos anos, "bulla" indicou também o selo; depois, todo o documento selado - o que explica porque ainda hoje se usa o termo para todos os documentos papais de especial importância, que possuem, ou pelo menos tradicionalmente deveriam conter, o selo do Pontífice. 

 Encíclica e Exortação Apostólica constituem alguns dos documentos pontifícios utilizados pelo Papa para tratar de assuntos diversos. Ao todo temos os seguintes documentos: Bula, Motu Próprio, Encíclica, Exortação Apostólica e Constituição. Por meio delas o sumo pontífice trata sobre assuntos doutrinários, disciplinares, governamentais entre outros. Estes documentos pontifícios são escritos em latim sendo publicado no  l’Osservatore Romano, jornal diário oficial da Santa Sé e também na Acta Apostolicae Sedis, jornal periódico oficial da Santa Sé, conforme o Cânon 8 do Código de Direito Canônico. 

A Carta Encíclica pode ter caráter Social, Exortatório ou Disciplinar e é dirigida aos Bispos de todo o mundo e, por meio deles, a todos os fiéis. Por meio dela o Papa exerce seu magistério ordinário. Sua origem se dá nas cartas que os bispos enviavam entre si para assegurar a unidade entre a doutrina e a vida eclesial. 

 

 

2º DIA - 05/05/2016

ANIMADOR:Boa noite amados irmãos em Cristo, celebramos o 2º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Nesta reflexãoo Papa nos convida para uma nova etapa evangelizadora marcada pela alegria e indica os caminhos para o percurso da Igreja nos próximos anos.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: Alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontra com Jesus

Leitor(a): A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria. Sabemos que alegria se renova e comunica, o grande risco do mundo atual, com sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é a tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais da consciência isolada. Quando a vida interior se fecha nos próprios interesses, deixa de haver espaço para os outros, já não se goza da doce alegria do seu amor, nem fervilha o entusiasmo de fazer o bem. Esta não é uma escolha de uma vida digna e plena, este não é o desígnio que Deus tem para nós, está não é a vida no Espírito que jorra do coração de Cristo ressuscitado. Os livros do Antigo Testamento preanunciaram a alegria da salvação, que havia de torna-se superabundante nos tempos messiânicos. Os profetas Isaías, Zacarias e Sofonias nos mostra o próprio Deus como um centro irradiante de festa e de alegria, que quer comunicar seu povo este jubilo salvífico. “Meu filho, se tens com que, trata-te bem... Não te prives da felicidade presente” – Eclo14,11.14. No Novo Testamento temos varias passagens em Lucas, João, Atos dos Apóstolos e outros que nos convida insistentemente à alegria. Mas há cristãos que parecem ter escolhido viver uma Quaresma sem Páscoa. Sabemos que alegria não se vive da mesma maneira em todas as etapas e circunstancias da vida, por vezes muito duras. Compreendo as pessoas que se vergam à tristeza por causa das graves dificuldades que tem que suportar, mas aos poucos é preciso permitir que a alegria da fé comece a despertar, como uma secreta mas firme confiança, mesmo no meio dos piores angustias. Somente quando encontramos o amor de Deus, é que somos resgatados da nossa consciência isolada e da autorreferencialidade. Chegamos a ser plenamente humanos, quando somos mais do que humanos, quando permitimos a Deus que nos conduza para além de nós mesmos a fim de alcançarmos o nosso ser mais verdadeiro.

 

3º DIA - 06/05/2016

ANIMADOR:Irmãos em Cristo, boa noite! , celebramos o 3º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: O bem tende sempre a comunicar-se – “A doce e reconfortante alegria de evangelizar”. Nesta reflexão o Papa nos mostra que aqueles que se apaixonam pela missão de comunicar a vida aos demais sente uma suave e reconfortante alegria.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: “A doce e reconfortante alegria de evangelizar”.

Leitor(a): O bem tende sempre a comunicar-se. Toda a experiência autêntica de verdade e de beleza procura, por si mesma, a sua expansão; e qualquer pessoa que viva uma libertação profunda adquire maior sensibilidade face as necessidades dos outros. E, uma vez comunicado, o bem radica-se e desenvolve-se. Por isso, quem deseja viver com dignidade e em plenitude, não tem outro caminho senão reconhecer o outro e buscar o seu bem. A proposta é viver em um nível superior, mas não com menor intensidade, de fato, os que mais desfrutam da vida são os que deixam a segurança da margem e se apaixonam pela missão de comunicar a vida aos demais. A vida se alcança e amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros. Um evangelizador não deveria ter constantemente uma cara de funeral, recuperemos e aumentemos o fervor de espírito, “a suave e reconfortante alegria de evangelizar, mesmo quando for preciso semear com lagrimas. E que o mundo do nosso tempo, que procura ora na angústia ora com esperança, possa receber a Boa-Nova dos lábios, não de evangelizadores tristes, impacientes ou ansiosos, mas sim de ministros do Evangelho cuja vida irradie fervor, pois foram quem recebeu primeiro em si a alegria de Cristo.

Um anúncio renovado proporciona uma nova alegria na fé e uma fecundidade evangelizadora. Na realidade, o seu centro e a sua essência são sempre o mesmo: “o Deus que manifestou o seu amor imenso em Cristo morto e ressuscitado. Tornando os fieis sempre novos, ainda que sejam idosos pois renovam suas forças. Cristo é a Boa-Nova de valor eterno, sendo o mesmo ontem, hoje e pelos séculos, mas a sua riqueza e a sua beleza são inesgotáveis. Ele é sempre jovem, e fonte de constante novidade. A igreja não cessa de se maravilhar com a “profundidade de riqueza, de sabedoria e de ciência de Deus”. Com a vinda de Cristo ele trouxe consigo a novidade, podendo renovar a nossa vida e a nossa comunidade mesmo que atravesse períodos obscuros. Cristo sempre surpreende-nos com sua constante criatividade divina nos apontando novas estradas, métodos criativos, formas de expressão, sinais e palavras cheias de renovado significado para o mundo atual. Na realidade, toda ação evangelizadora autêntica é sempre nova.

.

 

4º DIA - 07/05/2016

ANIMADORBoa noite! Sejam todos bem vindos ao 4º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: A nova evangelização para a transmissão da fé. O Papa nos convida a “recuperar a frescura original do Evangelho”, encontrando “novas formas” e “métodos criativos”, a não aprisionarmos Jesus nos nossos “esquemas monótonos”.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: A nova evangelização para a transmissão da fé.

Leitor(a): Na XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos que aconteceu em outubro de 2012 concessaram à luz do Espírito que nova evangelização interpela a todos, realizando-se fundamentalmente em três ambitos. Em primeiro lugar, no âmbito da pastoral ordinária, animada pelo fogo do Espírito a fim de incendiar os corações dos fiéis que frequentam regularmente a comunidade, reunindo-se mo dia Senhor, para se alimentarem da sua Palavra e do Pão de vida eterna. Incluindo também os fieis que conservam uma fé católica intensa e sincera, exprimindo-a de diversos modos, embora não participem frequentemente no culto. Esta pastoral está orientada para o crescimento dos crentes, a fim de corresponderem cada vez melhor e com toda a sua vida ao amor de Deus. Em segundo lugar, lembramos o âmbito das pessoas batizadas que , porem, não vivem as exigências do Batismo, não sentem uma pertença cordial à Igreja e já não experimenta a consolação da fé. Mãe sempre solícita, a Igreja esforça-se para que elas vivam uma conversão que lhes restitua a alegria da fé e o desejo de se comprometerem com o Evangelho. Por fim, frisamos que a evangelização esta essencialmente relacionada com a proclamação do Evangelho ‘aqueles que não conhecem Jesus Cristo ou que sempre O recusaram. Muitos deles buscam secretamente a Deus, movidos pela nostalgia do seu rosto, mesmo em países de antiga tradição. Todos tem o direito de receber o Evangelho. Os cristãos tem o dever de o anunciar, sem excluir ninguém, e não como quem impõe uma nova obrigação, mas como quem partilha uma alegria, indica um horizonte estupendo, oferece um banquete apetecível. A igreja não cresce por proselitismo, mas por atração. Os Bispos latino-americanos afirmaram que “não podemos ficar tranquilos, em espera passiva, em nossos templos. Sendo necessário passar de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária”. Esta tarefa continua a ser a fonte das maiores alegrias para a Igreja: Haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não necessitam de conversão.

 

 

5º DIA - 08/05/2016

Boa noite! Sejam todos bem vindos ao 5º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: Transformação Missionária da Igreja. Continuar no folheto da Missa.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: Transformação Missionária da Igreja

A evangelização obedece ao mandato missionário de Jesus: “Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandato”. Nestes versículos, aparece o momento em que o Ressuscitado envia os seus a pregar o Evangelho em todos os tempos e lugares, para que a fé n”Ele se estenda a todos os cantos da terra.

Na palavra de Deus aparece constantemente este dinamismo de “saída”, que Deus quer provocar nos crentes. Abraão aceitou a chamada para partir rumo a uma nova terra. Moises ouviu o chamado de Deus: “Vai! Eu te envio” ; a Jeremias disse: “Iras aonde Eu te enviar”. Naquele “ide” de Jesus, estão presentes os cenários e os desafios sempre novos da missão evangelizadora da Igreja, e hoje todos somos chamados a esta nova “saída” missionária. Cada cristão e cada comunidade há de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar esta chamada: sair da própria comodidade e ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho.’’ A igreja “em saída” é a comunidade de discípulos missionários que “primeireiam”, que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam. Primeireiam –tomam a iniciativa! A comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor e, por isso, ela sabe ir à frente, sabe tomar a iniciativa sem medo, ir ao encontro, procurar os afastados e chegar às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos. Vive um desejo inexaurível de oferecer misericórdia, fruto de ter experimentado a misericórdia infinita do Pai e a sua força difusiva. Com obras e gestos, a comunidade missionária entra na vida diária dos outros, encurta as distâncias, abaixa-se for necessário – até a humilhação e assume a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo. Os evangelizadores contraem assim o “cheiro de ovelha”, e estas escutam a sua voz. A evangelização patenteia muita paciência, e evita deter-se a considerar as limitações. Fiel ao dom do Senhor, sabe também “frutificar”. A comunidade evangelizadora mantém-se atenta aos frutos, porque o Senhor a quer fecunda. Cuida do trigo e não perde a paz por causa do joio. O semeador, quando vê surgir o joio no meio do trigo, não tem reações lastimosas ou alarmistas. Encontra o modo para fazer com que a Palavra se encarne numa situação concreta e de frutos de vida nova, apesar de serem aparentemente imperfeitos ou defeituosos. O discípulo sabe oferecer a vida inteira e joga-la até o martírio como testemunho de Jesus Cristo, mas o seu sonho não é estar cheio de inimigos, mas antes que a Palavra seja acolhida e manifeste a sua força libertadora e renovadora. Por fim a comunidade evangelizadora jubilosa sabe sempre “festejar”: celebra e festeja cada pequena vitória, cada passo em frente à evangelização. No meio desta exigência diária de fazer avançar o bem, a evangelização jubilosa torna-se beleza na liturgia. A igreja evangeliza e se evangeliza com a beleza da liturgia, que é também celebração da atividade evangelizadora e fonte de um renovado impulso para se dar.

 

6º DIA - 09/05/2016

ANIMADOR:Irmãos em Cristo, boa noite! , celebramos o 6º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: Pastoral da Conversão – A Igreja deve aprofundar a consciência de si mesma, meditar sobre o seu próprio mistério e avançar no caminho de uma conversão pastoral e missionária.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: Pastoral da conversão”.

Leitor(a): O Concílio Vaticano II apresentou a conversão eclesial como a abertura a uma reforma permanente de si mesmo por fidelidade a Jesus Cristo: “Toda a renovação da Igreja consiste essencialmente numa maior fidelidade à própria vocação. A Igreja peregrina é chamada por Cristo a esta reforma perene. Como instituição humana e terrena, a Igreja necessita perpetuamente desta reforma”

Há estruturas eclesial que podem chegar a condicionar um dinamismo evangelizador; de igual modo, as boas estruturas servem quando há uma vida que as anima, sustenta e avalia. Sem vida nova e espírito evangélico autêntico, sem “fidelidade da Igreja à própria vocação”, toda e qualquer nova estrutura se corrompe em pouco tempo.

Seria necessário uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais a evangelização do mundo atual que à autopreservação. A reforma das estruturas, que a conversão pastoral exige, só se pode entender neste sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a pastoral ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de “saída” e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade. Como dizia João Paulo II aos Bispos da Oceania, “toda a renovação na Igreja há de ter como alvo a missão, para não cair vitima de uma espécie de introversão eclesial”.

 

7º DIA - 10/05/2016

ANIMADOR:Irmãos em Cristo, boa noite! , celebramos o 7º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: A partir do coração do Evangelho – neste tema o Papa nos pede que assumamos um estilo missionário, que chegue a todos sem exceções nem exclusões, que o anuncio concentra-se no essencial, no que é mais belo, mais importante, mais atraente e ao mesmo tempo mais necessário.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: A partir do coração do Evangelho

Leitor(a): No mundo atual, com a velocidade da comunicação social, a mensagem que anunciamos corre mais do que nunca o risco de aparecer mutilada e reduzida a alguns dos seus aspectos secundários. Consequentemente, algumas questões que fazem parte da doutrina moral da Igreja fica fora do contexto que lhes dá sentido. O problema maior ocorre quando a mensagem que anunciamos parece então identificada com tais aspectos secundários, que, apesar de serem relevantes, por si só não manifestam o coração da mensagem de Jesus Cristo. Todas as verdades procedem da mesma fonte divina e são acreditadas com a mesma fé, Mas algumas delas são mais importantes por exprimir mais diretamente o coração do Evangelho. Neste núcleo fundamental, o que sobressai é a beleza do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo morto e ressuscitado. Neste sentido, o Concílio Vaticano II afirmou que “existe uma ordem ou “hierarquia” das verdades da doutrina católica, já que o nexo delas com o fundamento da fé cristã é diferente”. Isto é valido tanto para os dogmas da fé como para o conjunto dos ensinamentos da Igreja, incluindo a doutrina moral.

São Tomás de Aquino ensinava que, também na mensagem moral da Igreja, há uma hierarquia nas virtudes e ações que delas procedem. Aqui o que conta é, antes de mais nada, “a fé que atua pelo amor”. As obras do amor ao próximo são as manifestações externa mais perfeita da graça interior do Espírito: O elemento principal da Nova Lei á a graça do Espírito Santo, que se manifesta através da fé que opera pelo amor,” Por isso afirma que, relativamente ao agir exterior, a misericórdia é a maior das virtudes: “Em si mesma, a misericórdia é a maior das virtudes; na realidade, compete-lhe debruçar-se sobre os outros e – o que mais conta – remediar as misérias alheias. Ora, isto é tarefa especialmente de quem é superior; é por isso que se diz que é próprio de Deus usar de misericórdia e é, sobretudo nisto, que se manifesta a sua onipotência”.

 

 

8º DIA - 11/05/2016

ANIMADOR:Irmãos em Cristo, boa noite! , celebramos o 8º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: Na crise do compromisso comunitário. Alguns desafios do mundo atual- devemos dizer “não a uma economia da exclusão e da desigualdade social”, buscando uma solidariedade desinteressada e com ardor missionário.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: Na crise do compromisso comunitário. Alguns desafios do mundo atual

Leitor(a): A humanidade vive, neste momento, uma viragem histórica, que podemos constatar nos progressos que se verificam em vários campos. São louváveis os sucessos que contribuem para o bem-estar das pessoas, por exemplo, no âmbito da saúde, da educação e da comunicação. Todavia, não podemos esquecer que a maior parte dos homens e mulheres do nosso tempo vive seu dia a dia precariamente, com funestas consequências. Aumentam algumas doenças. O medo e o desespero apoderam-se do coração de inúmeras pessoas, mesmo nos chamados países ricos. A alegria de viver frequentemente se desvanece; crescem a falta de respeito e a violência, a desigualdade social torna-se cada vez mais patente. É preciso lutar para viver, e muitas vezes viver com pouca dignidade. Esta mudança de época foi causada pelos enormes saltos qualitativos, quantitativos, velozes e acumulados que se verificam no progresso científico, nas inovações tecnológicas e nas suas rápidas aplicações em diversos âmbitos da natureza e da vida. Estamos na era do conhecimento e da informação, fonte de novas reformas de um poder muitas vezes anônimo.

Assim como o mandamento “não matar” Põe um limite claro para assegurar o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer “não a uma economia da exclusão e da desigualdade social”. Umas das causas desta situação está na relação estabelecida com o dinheiro, porque aceitamos pacificamente o seu domínio sobre nós e as nossas sociedades. A crise financeira que atravessamos faz-nos esquecer de que, na sua origem, há uma crise antropológica profunda: a negação da primazia do ser humano. Criamos novos ídolos. A adoração do antigo bezerro de ouro encontrou uma nova e cruel versão no fetichismo do dinheiro e na ditadura de uma economia sem rosto e sem objetivo verdadeiramente humano. A crise mundial, que investe as finanças e a economia, Poe a descoberto os seus próprios desequilíbrios e, sobretudo, a grave carência de uma orientação antropológica que reduz o ser humano apenas a uma das suas necessidades: o consumo

O Papa ama a todos, ricos e pobres, mas tem a obrigação, em nome de Cristo, de lembrar que os ricos devem ajudar os pobres, respeitá-los e promovê-los. Exorto-vos a uma solidariedade desinteressada e a um regresso da economia e das finanças a uma ética propicia ao ser humano.

 

 

9º DIA - 12/05/2016

ANIMADOR:Irmãos em Cristo, boa noite! , celebramos o 9º da novena de Nossa Senhora de Fátima e do Divino Espírito Santo com o tema: Outros desafios eclesiais. Neste tema veremos que os desafios existem, mas serão superados por todos que buscam evangelizar com amor.

LITURGIA DA PALAVRA

ANIMADOR: Outros desafios eclesiais

Leitor(a): A imensa maioria do povo de Deus é constituída por leigos. Ao seu serviço, está uma minoria: os ministros ordenados. Cresceu a consciência da identidade e da missão dos leigos na Igreja. Embora não suficiente, pode-se contar com um numeroso laicado, dotado de um arraigado sentido de comunidade e uma grande fidelidade ao compromisso da caridade, da catequese, da celebração da fé. mas a tomada de consciência desta responsabilidade laical que nasce do Batismo e da Confirmação não se manifesta de igual modo em toda parte; em alguns casos, porque não se formaram para assumir responsabilidades importantes, noutros por não encontrar espaço nas suas Igrejas particulares para poderem exprimir-se e agir por causa de um excessivo clericalismo que os mantém à margem das decisões. Apesar de se notar uma maior participação de muitos ministérios laicais, este compromisso não se reflete na penetração dos valores cristãos no mundo social, político e econômico; limita-se muitas vezes às tarefas no seio da Igreja, sem um empenhamento real pela aplicação do Evangelho na transformação da sociedade. A formação dos leigos e a evangelização das categorias profissionais e intelectuais constituem um importante desafio pastoral.

Em muitos lugares, há escassez de vocações ao sacerdócio e á vida consagrada. Frequentemente isso fica a dever à falta de ardor apostólico contagioso as comunidades, pelo que estas não entusiasmam nem fascinam. Onde há vida, fervor, paixão de levar Cristo aos outros, surgem vocações genuínas. Mesmo em paróquias onde os sacerdotes não são muito disponíveis nem alegres, é a vida fraterna e fervorosa da comunidade que desperta o desejo de se consagrar inteiramente a Deus e á evangelização. Os desafios existem para ser superados. Sejamos realistas, mas sem perder a alegria, a audácia e

 

Este é um resumo da Exortação Apostólica do Papa Francisco: ”EvangeliiGaudium” – organizado por Adoneia Cristina da Mata Souza, da comunidade de Vila Ipanema, Nossa Senhora de Fátima, da Paróquia Sagrado Coração de Jesus de Ipatinga, da Diocese de Itabira-Coronel Fabriciano.