NO EVANGELHO DE LUCAS JESUS AGE EM VISTA DOS TEMPOS PÓS RESSURREIÇÃO

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

1) Grande parte dos ensinamentos escritos por Lucas refere-se a uma situação em que Jesus não estará mais presente no meio deles, e isso corresponde à perspectiva indicada desde o início da viagem, a do “arrebatamento = ressurreição/ascensão”.

(9,51): aproxima-se o tempo em que os discípulos terão de pedir ajuda ao Espírito Santo (11,13); reconhecer o seu Mestre diante dos homens (12,1-12); esperar a sua volta (12,35-40; 17,22; 18,8; 19,11-27), cuidar dos seus irmãos nas comunidades (12,41-48).

2) A parábola das minas, (19,11-27), como a dos talentos em Mateus 25, prepara o enfrentamento trágico entre Jerusalém e o rei (Jesus) que ela vai recusar se a conhecer. Uma mina = dez dracmas = um denário = uma moeda de prata).

JERUSALÉM É O LOCAL DA REALIZAÇÃO DA SALVAÇÃO

 A realização da salvação acontece em Jerusalém (19, 29; 24, 53). Começa pela entrada triunfal de Jesus na cidade Santa. Jesus se apresenta como rei. Afirma sua autoridade no Templo (19,29-48), expulsando os ladrões e exploradores dos pobres.

Jesus exorta à vigilância na expectativa do Filho do Homem (21,34-36). A narração da Paixão (22-23) e da Ressurreição (24) contém igualmente algumas particularidades: A Ceia se prolonga com ensinamentos aos Doze (22,24-38), por ocasião do processo e depois da crucificação, são ressaltadas a inocência e a realeza de Jesus (23, 4.14.22 e 22,29; 23,37. 38. 42).

As narrativas da Páscoa são todas localizadas em Jerusalém. Não há menção às aparições na Galileia. Jesus aparece aos Doze para lhes tirar as dúvidas (24,36-43). Investe-os da missão de testemunhas (24,47-49). O Evangelho de Lucas se encerra narrando a Ascensão, fora da cidade perto de Betânia: “Jesus ergueu as mãos e os abençoou. Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi elevado ao céu. Eles o adoraram. Em seguida voltaram para Jerusalém, com grande alegria. E estavam no Templo, bendizendo a Deus” (24,50-53).

 

Pe . Gildeo – fevereiro 2016