Consagra-te a Nossa Senhora pela Paróquia Sagrado Coração de Jesus

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

Em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, São Luís Maria Grignion de Montfort (1673-1716) apresenta-nos um caminho de santidade que, além de contar com a aprovação da Igreja, foi recomendado e seguido por figuras de grande envergadura espiritual, como São Pio X e São João Paulo II. Não se trata, porém — como talvez pudéssemos ser levados a pensar —, de um método de santificação “inventado” por São Luís. A perfeita consagração a Maria, na verdade, é obra do próprio Cristo, que pouco antes de expirar entregou sua Mãe Santíssima aos cuidados do discípulo amado: “Mulher, eis aí o teu filho” (Jo 19, 26).

O culto devido a Nossa Senhora, embora não seja o mesmo que devemos a Deus, o que seria idolatria, tampouco está no mesmo nível do culto devido aos anjos e santos.

Por ser Mãe de Deus e pertencer, por isto mesmo, à ordem da Encarnação, a Virgem Santíssima é digna de um culto de veneração singular e especial, o qual, se bem vivido, é capaz de acender rapidamente em nosso coração um amor ardentíssimo por aquele que não quis vir ao mundo senão por intermédio dela.

Maria Santíssima é digna de veneração não só por sua exímia e singular santidade, incomparavelmente superior à de todos os anjos e santos juntos. A ela temos de venerar, também, por sua dignidade de Mãe de Deus e, por isso mesmo, pela relação tanto de parentesco — de consanguinidade — que ela estabelece com Cristo quanto de afinidade com cada uma das pessoas da Santíssima Trindade. Maria foi, em resumo, a porta pela qual Deus veio ao mundo; foi nela e por ela que “o Filho de Deus se fez homem para a nossa salvação” [1], segundo o eterno desígnio do Pai de não trazer a redenção aos homens senão pela fecundidade e o consentimento de uma Virgem Imaculada, a fim de vencer, pela humildade de seu Filho e sua Mãe, os frutos da desobediência de Eva.

Já que foi “por intermédio da Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao mundo”, é “também por meio dela que ele deve reinar no mundo” [2], e não há como se aproximar dele sem passar pelo instrumento de que ele mesmo se serviu para vir a nós e dispensar-nos suas graças. Eis porque, em rápidas pinceladas, devemos a esta bendita e amorosa Mãe um culto especial, uma devoção repleta de ternura e confiança filial, sem incorrer em idolatria nem rebaixar ao nível dos outros santos aquela que o próprio Deus elevou acima de todas as criaturas.

Ao seguir essa tradição, tão enraizada na Igreja em todos os séculos, a Paróquia Sagrado Coração de Jesus promoverá pela terceira vez, no dia 8 de dezembro, durante a missa em honra à Imaculada Conceição, a oportunidade para os fiéis ali presentes se consagrarem. No entanto, oferece preparação para aqueles que tomarão essa iniciativa. No último sábado de outubro, dia 28, às 14h, C4, bairro Cariru, uma palestra explicará todo o método e mostrará o sentido maior dessa consagração que é uma perfeita renovação dos votos batismais.

Mas é importante mais uma vez ressaltarmos: Jesus Cristo é o fim último de toda verdadeira devoção à Virgem Santíssima. E não poderia ser diferente. Sendo Deus o alfa e o ômega, o princípio e o fim de todas as coisas, a honra que prestamos a Maria não deve ter outro propósito que recair em seu Filho, de que somos membros gerados e alimentados, na ordem da graça, pelo mesmo seio que o amamentou e amou com o mais maternal dos amores.

[1] São Luís M.ª G. de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. 39.ª ed., Petrópolis: Vozes, 2009, p. 26, n. 16.

[2] Id., p. 17, n. 1.