PARUSIA: A VINDA DO SENHOR

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

No credo professamos, conforme a Escritura, que o Senhor Jesus ressuscitado “está sentado à Direita de Deus Pai, donde há de vir em sua Glória para julgar os vivos e os mortos. E o seu Reino não terá fim”. Esta Vinda gloriosa de Cristo no final dos tempos é chamada de Parusia do Senhor. A idéia de que haveria um Dia do Senhor já existia desde o Primeiro Testamento. Era o termo usado para designar a chegada solene do Rei em um determinado lugar; este dia era de festa, animação, rituais e também apreensão. O recurso analógico está muito presente na narrativa bíblica e na metodologia de Jesus, basta lembrarmos de suas parábolas. Isso se deve ao fato de nossa razão apresentar-se limitada para compreensão total de realidades espirituais e perfeitas tais como a Santíssima Trindade e os atributos, em si, de Deus. Diante disso, não há outro modo de entendimento mais acessível de realidades tão abstratas e espirituais como a Escatológica Católica senão pelo recurso de artifícios didáticos como os analógicos e as obras artísticas.

Passagens do Primeiro e Novo Testamentos fazem menção a este episódio parusiano do Senhor: “Os olhos orgulhosos do homem serão humilhados, e será abatida a arrogância humana; naquele Dia só o Senhor será exaltado. Porque é o Dia do Senhor Todo-poderoso contra tudo que é orgulhoso e arrogante, contra tudo que se exalta e que será humilhado (...); só o Senhor será exaltado naquele dia. Os ídolos desaparecerão completamente...” (Is 2,11s.18s).

“Tocai a trombeta em Sião, dai alarme em minha montanha santa! Tremam todos os habitantes do país, porque está chegando o Dia do Senhor! Sim, está próximo! É um Dia de trevas e escuridão, um Dia de nuvens e obscuridade”! (Jl 2,1s); “Colocarei sinais no céu e na terra, sangue, fogo e colunas de fumaça! O sol se transformará em trevas, a lua em sangue, antes que chegue o Dia do Senhor, grande e terrível”! (Jl 3,3s).

“Irmãos, não queremos que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para não vos entristecerdes, como os outros homens, que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que nele morrerem. Eis o que vos declaramos conforme a palavra do Senhor: nós, que ficamos ainda vivos, não precederemos os mortos na vinda do Senhor. Quando for dado o sinal, à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os vivos, que estamos ainda na terra, seremos arrebatados juntamente com eles para as nuvens, ao encontro do Senhor nos ares. Assim estaremos sempre com o Senhor” (1Ts 4,13-17).

“Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus. ”(Ap 22, 20)

É válido observar que quando o A.T. fala desse Dia do Senhor usa comparações, imagens, figuras, metáforas, para ensinar que será um Dia solene e decisivo, Dia da verdade, Dia de julgamento, Dia que envolverá não somente a humanidade, mas toda a criação. Também São Pedro em sua epístola nos diz: “Deveis saber que nos últimos dias virão zombadores cheios de escárnio que vivem segundo suas próprias paixões, dizendo: ‘Onde está a promessa de sua vinda? Pois, desde que morreram os pais, tudo permanece igual desde o princípio da criação’. Mas há uma coisa, caríssimos, de que não vos deveis esquecer: um dia diante do Senhor é como mil anos e mil anos como um dia. O Senhor não retarda o cumprimento de sua promessa, como alguns pensam, mas usa de paciência para convosco. Não deseja que alguém pereça. Ao contrário, quer que todos se arrependam. Entretanto, virá o dia do Senhor como ladrão! Por isso, caríssimos, vivendo nesta esperança, esforçai-vos para que ele vos encontre imaculados e irrepreensíveis na paz. E crede que a paciência do Senhor é para nossa salvação! ”(2Pd 3,3-15).

Este trecho de Pedro nos reafirma que é inútil fazer cálculos e esperar que o Senhor cumpra nossos cálculos, em outras palavras, teorias e calendários acerca de quando e de como o mundo acabará não passam de meras suposições.  Somente Ele enquanto Deus Altíssimo sabe de todas as coisas. Por isso, não devemos nos angustiar se o Senhor não chega; se ele tarda é para a nossa conversão!  O importante é vigiarmos: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir. ”(Mt. 25, 13)

O que você faria se Jesus voltasse ao mundo hoje? Como se portaria? Estaria preparado? Essas perguntas são extremamente pertinentes para nós cristãos católicos, pois nos remetem a efemeridade da vida e o fato de que devemos ser bons e viermos autenticamente praticando a caridade, a fé e o amor aos irmãos.  Diante disso, podemos concluir que, para nós, cristãos, o Senhor Jesus virá na sua Glória de ressuscitado e essa Vinda manifestará a todos que Cristo é o Senhor de todas as coisas e de toda a história humana. Contudo não precisamos esperar por essa vinda apocalíptica do Senhor para realizarmos boas ações e sermos pessoas melhores. Jesus está retornando a nossa Terra todos os dias na pessoa dos mais pobres, excluídos, marginalizados e sofredores, sejam os moradores de rua, as vítimas de guerras e corrupção, as prostitutas ou mesmo os refugiados sírios a procura de melhores condições de vida na Europa. Ajudar a essas pessoas é o mesmo que ajudar a Cristo, pois Ele se faz presente neles como Evangelho Encarnado. “Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna. ” (Mt 25:45-46)

Por Alef Cesar Augustinho – CICM

Referências bibliográficas:

FRANCO, Ildeo Geraldo.  Alguns assuntos relativos à Escatologia: os novíssimos do homemIpatinga, abril de 2016. 2p.

Catecismo da Igreja Católica (CIC).

SICURO, pe. Edvino SVD. Respostas da Bíblia às acusações dos “crentes” contra a Igreja Católica. Curitiba, novembro de 1992. 63p.

COSTA, Dom Henrique Soares da. Escatologia - Sobre o fim do mundoAracaju, maio de 2009.

BELMONTE, Alexandre. A escatologia das religiões.  Disponível em: www.napec.org (Apologética Cristã) 

Bíblia Sagrada, edição da CNBB.