TEMAS LIGADOS COM A CF 2017

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

 Os temas que abordaram temáticas socioambientais:

1979 – Por um mundo mais humano – Preserve o que é de todos.

1986 – Fraternidade e a terra – Terra de Deus, terra de irmãos.

2004 -  Fraternidade e a água – Água, fonte de vida.

2007 -  Fraternidade e Amazônia – Vida e missão neste chão.

2011 – Fraternidade e a vida no planeta – a criação geme em dores de parto (Rm 8,22).

2016 – Casa comum, nossa responsabilidade – Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca (Amós 5,24)

O Tema da Campanha da Fraternidade deste ano é:

FRATERNIDADE: BIOMAS BRASILEIROS E DEFESA DA VIDA.

Lema: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15)

“O planeta terra é a casa de toda a humanidade e de todos os seres vivos. Precisamos dele para viver, assim como as gerações futuras vão viver”.

Como cuidamos desta nossa grande casa?

Como cuidamos dos nossos rios e florestas?

Mas o que é um bioma?

Bioma é o conjunto de vida animal e vegetal existente em determinada área (ou seja, é aquela região na qual vivem em equilíbrio determinadas plantas, animais e outros seres vivos inclusive os seres humanos). Aqui no Brasil existem seis biomas: Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e Pantanal.

A CF nos convida a tomar consciência sobre os biomas que existem no Brasil. Isso é necessário para que possamos cuidar bem da criação divina.

Deus nos deu um planeta perfeito, o que nós estamos fazendo com ele?

O Brasil é um país rico em biodiversidade. Logo que chegou aqui Pero Vaz de Caminha ficou encantado com o que encontrou. Ele escreveu ao rei de Portugal: “Águas são muitas, infinitas. Em tal maneira graciosa (a terra) que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem”!

Temos que tomar consciência: a terra é uma herança comum, cujos frutos devem beneficiar a todos. Para as pessoas de fé, isso se torna uma questão de fidelidade ao Criador, porque Deus criou o mundo para todos (Laudato Si’, 93).

Objetivo Geral DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2017.

Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho.

Um dos objetivos da CF deste ano é aprofundar o conhecimento dos biomas, suas belezas, significados e importância para a vida do Planeta. O Papa Francisco disse:“O urgente desafio de proteger a nossa casa comum inclui a preocupação de unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento integral e sustentável, pois sabemos que as coisas podem mudar”.

A quaresma e a Campanha da Fraternidade

A Quaresma é um tempo forte de penitência e de mudança de vida, que nos insere no mistério de Cristo: Conversão que possibilita o retorno da dispersão para a nascente inesgotável da vida, que é a Páscoa de Jesus.

Quaresma, isto é, quarenta dias, é um tempo de graça e de benção, marcado pela escuta da Palavra de Deus; de reconciliação com Deus e com os irmãos. Tempo de oração, de jejum como disponibilidade, entrega e docilidade à vontade do Pai; de partilha de bens e de gestos solidários, de atenção misericordiosa com os pobres e necessitados.

A Campanha da Fraternidade quer ajudar a construir uma cultura de fraternidade, apontando os princípios de justiça, denunciando ameaças e violações de dignidade e dos direitos, por isso ela acontece no tempo forte da Quaresma.

OS BIOMAS BRASILEIROS

Bioma Amazônia: É o maior bioma do Brasil. Formado pelos estados da região Norte: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins. Avança para os estados do Mato Grosso e Maranhão. Transcende os limites brasileiros e está também no território da Colômbia, Peru, Venezuela, Equador, Bolívia, Suriname, Guiana Francesa e da Guiana Inglesa.

Possui um verde e vasto mundo de águas e floretas. Contém campos naturais e vegetação de altitude por também atingir os Andes, onde muitos rios amazônicos nascem.

A Amazônia, por sua riqueza em águas e biodiversidade, é cobiçada por Corporações do Brasil e do mundo inteiro.

Bioma Caatinga: É uma palavra originária do tupi-guarani, que significa mata branca. A caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Tem um clima semiárido. É o semiárido mais chuvoso do planeta. Em tempo de seca, a Caatinga “dorme”, hiberna, poupa água e energia, para voltar à vida plena durante as primeiras chuvas. A “ressurreição anual da Caatinga” é um dos espetáculos mais belos oferecidos pelos biomas brasileiros.

 Muitas plantas, como o umbuzeiro, guardam água em suas raízes, para poder se utilizar dela em tempos de falta de chuva. As árvores secas e retorcidas, como também os cactos de folhas fibrosas, não são sinais de pobreza, mas de vida, que soube se adaptar ao clima semiárido. Chuvas oscilantes, subsolo formado por rochas cristalinas, tem poucas nascentes e rios perenes. O maior rio é o São Francisco que nasce no Cerrado mineiro, e é alimentado pelas águas dos rios que nascem no Cerrado do Oeste Baiano.

A falta da preservação da caatinga prejudica a sobrevivência da fauna silvestre, a qualidade da água e o equilíbrio do clima e do solo.

Bioma Cerrado: É uma vegetação típica de locais com estações climáticas bem definidas (uma época bem chuvosa e outra seca). Ele compõe as regiões com solo de composição arenosa, sendo considerado o bioma brasileiro mais antigo, por longo tempo foi considerado inadequado para a agricultura. É considerado “uma floresta de cabeça para baixo”.

 As árvores com galhos tortuosos e de pequeno porte são as principais característica do Cerrado, as raízes destes arbusto são profundas; as cascas são duras e grossas; as folhas cobertas de pelos. O solo do cerrado caracteriza-se por apresentar cor avermelhada, em função da grande presença de óxido ferroso, pH do solo é baixo.

Sua vegetação é encontrada na região Centro-Oeste, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins, e também faz parte das belezas da região Oeste de Minas Gerais e das regiões Sul do Maranhão e do Piauí.

Há uma grande preocupação com a conservação do que resta do Cerrado devido à ocupação desordenada e aos muitos incêndios.

Bioma Mata Atlântica: É considerada uma das áreas mais ricas em espécie da fauna e da flora mundial. Infelizmente só restam cerca de 7% de sua cobertura original, situação agravada pelo fato de nessa região se localizarem os rios que abastecem cerca de 70% da população brasileira.

 A exploração da Mata Atlântica começou com a chegada dos portugueses ao Brasil, cujo interesse principal era a extração da preciosa madeira do pau-brasil. É uma das áreas mais ricas em biodiversidade e mais ameaçadas do planeta. Foi decretada Reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e Patrimônio Nacional, na Constituição Federal de 1988.

Estados que abrange o Bioma da Mata Atlântica: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, Mato grosso do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí.

As queimadas e o uso inadequado do solo na agricultura têm provocado erosão e empobrecimento das terras que fazem parte desse ecossistema.

Bioma Pantanal:É considerado uma das maiores extensões úmidas do planeta, também é considerado o de menor extensão territorial no Brasil. É um bioma que abriga exuberante riqueza.

 Situado dentro da Bacia do Alto Paraguai, o bioma Pantanal é considerado como Reserva Biosfera e patrimônio Natural Mundial pela UNESCO.

Seu território envolve três países sendo 70% dessa planície no território brasileiro: nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, 20% na Bolívia, 10% no Paraguai.

Os rios que abastecem o Pantanal são provenientes de regiões bem altas e, e por isso, as águas acumulam-se facilmente, transformando o Pantanal em uma grande planície de inundação, principalmente no período chuvoso.

 O Pantanal tem uma das maiores extensões úmidas contínuas do mundo, com grande beleza e rica biodiversidade. O ecossistema mantém boa parte da sua cobertura vegetal nativa, responsável pela permanência de espécies que, em outros biomas, já se mostram em extinção.

BIOMA PAMPAS:

O bioma Pampa exibe um imenso patrimônio cultural associado à biodiversidade. Suas paisagens naturais se caracterizam pelo predomínio dos campos nativos, mas há também a presença de matas ciliares, matas de encosta, matas de pau-ferro, formações arbustivas, butiazais, banhados, afloramentos rochosos etc.

A característica principal deste bioma é a sua vegetação, que apresenta uma composição herbácea, ou seja, formada basicamente por gramíneas e espécies vegetais de pequeno porte, não ultrapassando os 50 cm de alturas. Esse tipo de paisagem apresenta dois tipos bem definidos: os chamados campos limpos e os campos sujos.

CAMPOS LIMPOS: Ocorrem quando a vegetação não apresenta arbustos, ganhando uma paisagem mais homogênea, sem diferenças muito grandes entre uma parte e a outra.

CAMPOS SUJOS: Ocorrem quando há uma maior presença desses arbustos, que se “misturam” à paisagem.

As queimadas e o uso inadequado do solo na agricultura têm provocado erosão e empobrecimento das terras que fazem parte desse ecossistema.

Campanha da Fraternidade 2017

“Os biomas são parte integrante de uma natureza que, sem eles, se desequilibra, trazendo numerosas ameaças à vida. Não foi para isso que Deus entregou a Terra ao homem”.

“Há necessidade de que a fraternidade seja descoberta, amada, experimentada, anunciada e testemunhada. Mas só o amor dado por Deus é que nos permite acolher e viver plenamente a fraternidade”.

Papa Francisco

“Estamos num sistemaeconômico mundial, em que, no centro, está o dinheiro, não a pessoa humana. Num verdadeiro sistema econômico, no centro deve estar o homem e a mulher, a pessoa humana. E hoje, no centro, está o dinheiro”. Papa Francisco

“Todos nós cristãos recebemos o dom da fé e, na fé, somos despertados para o cultivo e cuidado”.

“Para o Papa Francisco, é por nossa causa que milhares de espécies jão não dão glória a Deus com sua existência. É devido à atividade humana que o planeta continua a aquecer. Este aquecimento provoca mudanças climáticas que geram a dolorosa crise dos migrantes forçados. Os pobres do mundo, embora sejam os menos responsáveis pelas mudanças climáticas, são os mais vulneráveis e já sofrem os seus efeitos”.

“Qual destino estamos dando a tantas riquezas e qual Brasil queremos deixar para as gerações futuras”?

Gildete Maria Magalhães - CPP