RESUMO DA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA GAUDETE ET EXSULTATE DO SANTO PADRE FRANCISCO SOBRE A CHAMADA À SANTIDADE NO MUNDO ATUAL

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

Este não é um texto académico ou doutrinal. O seu objetivo é o de “fazer ressoar mais uma vez a chamada à santidade, procurando encarná-la no contexto atual”.

CAPÍTULO 1: A CHAMADA À SANTIDADE

Há muitos tipos de santos. Para lá dos santos oficialmente reconhecidos pela Igreja, muitas outras pessoas comuns não foram inscritas nos livros de história, mas o seu contributo para mudar o mundo foi decisivo. Entre essas, há muitas testemunhas cristãs cujo martírio é uma característica do nosso tempo. “Cada santo é uma missão; é um projeto do Pai que visa refletir e encarnar, num momento determinado da história, um aspeto do Evangelho”. A santidade é fazer experiência dos mistérios da vida de Cristo, “morrer e ressuscitar continuamente com Ele” e reproduzir aspetos da sua vida terrena: a sua proximidade aos excluídos, a sua pobreza, o seu amor abnegado. “Permite [ao Espírito Santo] plasmar em ti aquele mistério pessoal que possa refletir Jesus Cristo no mundo de hoje”, numa missão de edificar o reino de amor, justiça e paz universal.

A santidade é tão diversa como o género humano; o Senhor tem em mente um caminho particular para cada crente, não apenas o clero, as pessoas consagradas ou quem escolheu a vida contemplativa. Somos todos chamados à santidade, seja qual for o nosso papel, “vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho” e na entrega quotidiana a Deus. Entre estas formas de testemunho contam-se os “estilos femininos de santidade”, de famosas mulheres santas e as mulheres “desconhecidas ou esquecidas” que transformam permanentemente as suas comunidades. Tanto como por ocasião dos grandes desafios, a santidade cresce por meio de pequenos gestos: recusar dizer mal de alguém, escutar com paciência e amor, dizer uma palavra

carinhosa a um pobre.

A santidade mantém-nos fiéis à nossa identidade mais profunda, livres de todas as formas de servidão e dando fruto para o nosso mundo. A santidade não nos torna menos humanos, pois é um encontro entre a nossa fraqueza e o poder da graça de Deus. Mas temos necessidade de momentos de solidão e silêncio diante de Deus, para nos confrontarmos com o que realmente somos e deixarmos o Senhor entrar.

CAPÍTULO 2: DOIS INIMIGOS SUBTIS DA SANTIDADE

O Gnosticismo e o Pelagianismo, duas “falsificações da santidade” dos tempos da Igreja primitiva, ainda nos extraviam. Estas heresias propõem “um imanentismo antropocêntrico, disfarçado de verdade católica” exagerando a perfeição humana sem a graça.

Os gnósticos não percebem que a nossa perfeição se mede pelo nosso grau de caridade, não pela quantidade de dados e conhecimentos. Separando o intelecto da carne, reduzem os ensinamentos de Jesus a uma lógica fria e dura que procura tudo dominar. Mas a doutrina “não é um sistema fechado, privado de dinâmicas próprias capazes de gerar perguntas, dúvidas, questões”. A experiência cristã não é um conjunto de exercícios intelectuais; a autêntica sabedoria cristã nunca se pode separar da misericórdia para com o nosso próximo.

Em paralelo com o poder que o Gnosticismo atribuía ao intelecto, o Pelagianismo fazia-o em relação à vontade humana, ao esforço pessoal. Embora os modernos pelagianos falem calorosamente da graça de Deus, dão a entender que a vontade humana é algo puro, perfeito, omnipotente, a que se acrescenta a graça. Ignoram que, nesta vida, as fragilidades humanas não são curadas, completamente e duma vez por todas, pela graça.

A graça supõe a natureza. A graça não nos torna sobre-humanos, mas toma-nos e transforma-nos de forma progressiva. Se recusarmos esta realidade histórica e progressiva, de facto podemos chegar a negar e bloquear a graça do Senhor. A sua amizade supera-nos infinitamente: não podemos adquiri-la com as nossas obras, mas unicamente por um dom que brota da sua iniciativa de amor.

Quando sobrevalorizam a vontade humana e as suas próprias capacidades, alguns cristãos podem tender para a obsessão pela lei, o fascínio com as vantagens sociais e políticas, um escrupuloso cuidado com a liturgia, a doutrina e o prestígio da Igreja, a vanglória ligada à capacidade de gestão de assuntos práticos, a atração excessiva pelas dinâmicas de autoajuda e realização autorreferencial, bem como determinadas normas, costumes ou formas de agir. A vida da Igreja pode transformar-se numa peça de museu ou numa propriedade de poucos. Despoja-se assim o Evangelho da sua simplicidade, fascínio e sabor, reduzindo-o a um esquema que deixa poucas aberturas para que a graça atue.

CAPÍTULO 3: À LUZ DO MESTRE

As bem-aventuranças são a forma de Jesus descrever o que significa ser santo na nossa vida quotidiana. Aqui “feliz” ou “bem-aventurado” torna-se sinónimo de “santo”. Alcançamos a verdadeira felicidade pela prática fiel das bem-aventuranças. Só as podemos viver se o Espírito Santo nos permear com toda a sua força e nos libertar da nossa fraqueza, egoísmo, autossatisfação e orgulho.

O Papa Francisco descreve cada uma das bem-aventuranças e o seu convite, a concluir cada secção:

● “Ser pobre no coração: isto é santidade”.

● “Reagir com humilde mansidão: isto é santidade”.

● “Saber chorar com os outros: isto é santidade”.

● “Buscar a justiça com fome e sede: isto é santidade”.

● “Olhar e agir com misericórdia: isto é santidade”.

● “Manter o coração limpo de tudo o que mancha o amor: isto é santidade”.

● “Semear a paz ao nosso redor: isto é santidade”.

● “Abraçar diariamente o caminho do Evangelho mesmo que nos acarrete problemas: isto é santidade”.

No capítulo 25 do Evangelho de Mateus (vv. 31-46), Jesus detém-se na bem-aventurança da misericórdia. “Se andamos à procura da santidade que agrada a Deus, neste texto encontramos precisamente uma regra de comportamento com base na qual seremos julgados”. Quando reconhecemos Cristo nos pobres e atribulados, percebemos o próprio coração de Cristo, os seus sentimentos e as suas opções mais profundas. “O Senhor deixou-nos bem claro que a santidade não se pode compreender nem viver prescindindo destas suas exigências”.

As ideologias falaciosas podem levar-nos, por um lado, a separar estas exigências do Evangelho do nosso relacionamento pessoal com o Senhor, pelo que o cristianismo se transforma numa espécie de ONG, privando-o daquele misticismo irradiante tão evidente na vida dos santos. Por outro lado, há quem desvalorize o compromisso social dos outros, considerando-o superficial, mundano, secularizado, materialista, comunista ou populista; a sua própria preocupação ética supera todas as outras.

A nossa defesa do inocente nascituro, por exemplo, deve ser clara, firme e apaixonada, porque neste caso está em jogo a dignidade da vida humana, sempre sagrada, e exige-o o amor por toda a pessoa, independentemente do seu desenvolvimento. Mas “igualmente sagrada” é a vida dos pobres, de quantos se debatem na miséria, no abandono, na exclusão, na eutanásia encoberta de doentes e idosos, no tráfico de pessoas e nas novas formas de escravatura. A situação dos migrantes não deveria ser um tema secundário relativamente às questões “sérias” da bioética. Para um cristão, a “única atitude condigna é colocar-se na pele do irmão que arrisca a vida para dar um futuro aos seus filhos”.

CAPÍTULO 4: ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA SANTIDADE NO MUNDO ATUAL

O Papa fala a seguir de “alguns aspetos da chamada à santidade, que tenham – assim o espero – uma ressonância especial”, na forma de “cinco grandes manifestações do amor a Deus e ao próximo, que considero particularmente importantes devido a alguns riscos e limites da cultura de hoje”.

1) Suportação, paciência e mansidão.

Assim se descreve a força interior, enraizada em Deus, que torna possível o testemunho da constância na prática do bem. Temos de estar atentos e combater as nossas inclinações agressivas e egocêntricas. Os cristãos podem fazer parte “de redes de violência verbal através da internet e vários fóruns ou espaços de intercâmbio digital”. Mesmo nos media católicos, é possível ultrapassar os limites, tolerando-se a difamação e a calúnia. “É impressionante como, às vezes, pretendendo defender outros mandamentos, se ignora completamente o oitavo: «não levantar falsos testemunhos» e destrói-se sem piedade a imagem alheia”.

Não é correto olharmos com altivez para os outros como juízes sem piedade, sendo arrogantes com eles e pretendendo continuamente dar lições. Esta é uma forma subtil de violência. Estar no caminho da santidade significa suportar “humilhações diárias”, como é o caso, por exemplo, “daqueles que calam para salvar a sua família, ou evitam falar bem de si mesmos e preferem louvar os outros em vez de se gloriar, escolhem as tarefas menos vistosas e às vezes até preferem suportar algo de injusto para o oferecer ao Senhor”. Agir desta forma “pressupõe um coração pacificado por Cristo, liberto daquela agressividade que brota dum «ego» demasiado grande”.

2) Alegria e sentido de humor

Os santos são alegres e vivem com sentido de humor. Irradiam um espírito positivo e rico de esperança, mesmo em tempos difíceis. O mau humor não é sinal de santidade. A tristeza pode ser um sinal de ingratidão para com os dons de Deus. A cultura consumista e individualista de hoje não proporciona uma verdadeira alegria; o consumismo só atravanca o coração.

3) Ousadia e ardor

A santidade é também parresia: é ousadia, um impulso para evangelizar e deixar uma marca neste mundo. “A ousadia e a coragem apostólica são constitutivas da missão”. Se ousarmos ir às periferias, encontraremos Jesus que já lá está, nos corações dos nossos irmãos e irmãs, na sua carne ferida, nas suas aflições, na sua profunda desolação. A Igreja não precisa de burocratas e funcionários, mas de missionários apaixonados, devorados pelo entusiasmo de comunicar a verdadeira vida. Os santos surpreendem-nos, desinstalam, porque a sua vida nos chama a sair da mediocridade tranquila e anestesiadora. O Espírito Santo faz-nos contemplar a história na perspetiva de Jesus ressuscitado. Assim a Igreja, em vez de cair cansada, poderá continuar a acolher as surpresas do Senhor.

4) Em comunidade

Viver e trabalhar em comunidade com outros é um caminho de crescimento espiritual. Partilhar a palavra e celebrar juntos a Eucaristia torna-nos mais irmãos e faz de nós uma comunidade santa e missionária. Dá origem também a autênticas e partilhadas experiências místicas. Estas experiências, contudo, são menos frequentes e importantes do que os pequenos detalhes diários. Jesus convidava os seus discípulos a prestarem atenção aos detalhes: o vinho que estava a acabar numa festa, uma ovelha que faltava, as duas moedinhas de uma viúva. Às vezes, no meio destes pequenos detalhes, somos presenteados com consoladoras experiências de Deus.

5) Em oração constante

A oração confiante de qualquer duração é uma resposta de um coração que se abre a encontrar Deus face a face, onde a voz suave do Senhor pode ser escutada. Neste silêncio, é possível discernir os caminhos de santidade que o Senhor nos propõe. Para todo o discípulo, é essencial passar tempo com o Mestre, escutá-Lo, aprender sempre com Ele. Se Deus quis entrar na nossa história, a nossa oração é tecida de recordações. Contempla a tua história quando rezas e, nela, encontrarás tanta misericórdia. A oração de súplica é expressão de um coração que confia em Deus, pois sabe que sozinho nada consegue. A oração de petição tranquiliza-nos tantas vezes o coração e ajuda-nos a perseverar  com esperança. A oração de intercessão é um ato de confiança em Deus e, ao mesmo tempo, uma expressão de amor ao próximo. Na Eucaristia, a palavra escrita atinge a sua máxima eficácia, porque ali a Palavra viva está realmente presente.

CAPÍTULO 5: LUTA, VIGILÂNCIA E DISCERNIMENTO

O mal está presente desde as primeiras páginas das Escrituras. Não pensemos que o demônio seja um mito, uma figura de estilo ou uma ideia, para que não nos descuidemos nem fiquemos mais expostos.

O nosso caminho para a santidade é uma luta constante, para a qual o Senhor nos mune com a oração, a Palavra de Deus, a celebração da Missa, a adoração eucarística, a Reconciliação sacramental, as obras de caridade, etc.

O caminho da santidade é uma fonte de paz e alegria que o Espírito nos dá. Como é possível saber se algo vem do Espírito Santo ou se deriva do espírito do mundo e do espírito maligno? Pelo discernimento, que é mais do que inteligência e sentido comum. Hoje tornou-se particularmente necessária a capacidade de discernimento, porque a vida atual oferece enormes possibilidades de distração, apresentadas como se fossem todas válidas e boas.

O discernimento é uma graça. Não está reservado aos mais inteligentes e instruídos, nem requer capacidades especiais. Mas exige que se escute: o Senhor, os outros, a própria realidade que não cessa de nos interpelar de novas maneiras. Dá-nos a liberdade de renunciar aos nossos pontos de vista parciais e insuficientes, às nossas formas habituais de considerar as coisas. Temos de discernir os tempos de Deus, para não ignorarmos o seu convite a crescer. Por esta razão, peço a todos os cristãos que não deixem de fazer cada dia, em diálogo com o Senhor, um sincero exame de consciência.

Temos necessidade do silêncio da oração prolongada para perceber melhor a linguagem de Deus, para interpretar o significado real das inspirações que julgamos ter recebido, para acalmar ansiedades e ver de um modo novo o conjunto da própria existência à luz de Deus.

O nosso discernimento atento implica obediência ao Evangelho como último critério, mas também ao Magistério que o guarda, procurando encontrar no tesouro da Igreja aquilo que pode ser mais fecundo para “o hoje” da salvação; pois a rigidez não tem lugar no “hoje” perene do Senhor Ressuscitado.

Deus pede-nos tudo, mas também nos dá tudo. Deus não quer entrar na nossa vida para a enfraquecer, mas para a levar à perfeição. Peçamos ao Espírito Santo que infunda em nós um desejo intenso de ser santos para a maior glória de Deus; e animemo-nos uns aos outros neste propósito. Assim, compartilharemos uma felicidade que o mundo não poderá tirar-nos.

Roma, 19 de março de 2018