O JEJUM QUE AGRADA A DEUS

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

O jejum é um costume antigo utilizado por várias denominações (judeus, muçulmanos, cristãos e protestantes), cada uma à sua maneira, como um instrumento de disciplina moral e espiritual, a fim de agradar a Deus.

O povo do antigo testamento, assim como o do novo testamento, jejuava. Jesus jejuou quando foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto, conforme Mt 4,2: “Jejuou quarenta dias e quarenta noites. Depois, teve fome”. Ainda hoje os cristãos fazem jejum.

Na tradição bíblica, jejum é um ato de penitência que tem por objetivo levar as pessoas à conversão, à mudança do modo de viver e a controlar os seus instintos, pois somos seres racionais e muitas vezes escravizados por nossa vontade.

No antigo testamento, em Isaías 58, 1-12, o profeta condena os que praticavam o jejum e apesar disso cometiam injustiças e abusos sociais.A comunidade a que o Profeta se dirige vivia uma prática religiosa sem espiritualidade e cheia de ritualismos vazios. Praticavam o jejum, apesar disso Deus não os ouvia e não os atendia. E então Deus lhes fala através do profeta: “O jejum que eu quero é este: acabar com as prisões injustas, desfazer as correntes do jugo, por em liberdade os oprimidos e despedaçar qualquer jugo.” (Is 58,6).

O Profeta insurge-se contra os abusos sociais e eleva sua voz contra os hipócritas e todos aqueles que levavam uma vida frívola.

Os judeus trocavam favores com Deus através do jejum.

A prática do jejum, assim como qualquer prática religiosa, sem espiritualidade não tem valor. O maior alvo da religião deve ser alcançar a Deus, em primeiro lugar, de todo coração.

Não podemos imaginar que somos capazes de comprar a Deus com nossas práticas religiosas porque Ele conhece o nosso coração. As aparências enganam aos homens, mas não enganam a Deus.

Queremos que Deus nos ouça e para isso temos que cuidar da nossa alma e do nosso coração. Participamos da Missa e da Sagrada Comunhão todos os domingos, mas isso não nos transforma!

Então nos ensina o profeta: “Reparte o pão com o faminto, acolhe em casa os pobres e peregrinos. Quando encontrares um nu, cobre-o e não desprezes a tua carne. Então brilhará tua luz como a aurora e tua justiça e a glória do Senhor te seguirá. Então invocarás o Senhor e ele te atenderá, pedirás socorro e ele te dirá: “Eis-me aqui.”” (Is 58, 7-9a).

O jejum que agrada a Deus é praticar a religião, mas com piedade. Primeiro Deus nos quer e quer a nossa salvação. Depois Ele quer o nosso sacrifício.

 

Carla Regina Silva Ferreira

Comunidade Santa Rita de Cássia – B. das Águas. 06/02/2017