FESTAS NATALINAS

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

A palavra Natal tem origem na palavra do latim “natalis” que, por sua vez, é derivada do verbo nascer (nāscor).

As festas natalinas têm pouco ou nada a ver com o Papai Noel.

O Natal fala-nos de Jesus, doação, partilha, conversão, renúncia e de zelo pelos mais carentes.

O Papai Noel fala-nos de vender, comprar, receber, exigir presentes, acumular lucros e visitar as lojas do Shopping para sugerir e pedir regalos.

Sem muito pensar, logo se percebe que Jesus é antagônico ao Papai Noel, que nasceu de uma lenda, envolvendo até São Nicolau.

O Natal, dia 25 de dezembro, deve comemorar o nascimento de Jesus e não o consumismo.Celebramos, então, o nascimento de Jesus Cristo, o Deus e homem que nos visitou trazendo-nos esperança, amor e salvação.

Para os cristãos Natal é uma das principais datas comemorativas, ao lado da Páscoa, em que se celebra a ressurreição de Jesus.

O chamado ciclo do Natal, na liturgia católica é celebrado durante doze dias, que compreendem o dia 25 de dezembro até o dia 6 de janeiro, festa dos Reis Magos, além das quatro semanas preparatórias do Advento.

A festa dos três Reis Magos, pagãos, supostamente Baltazar, Gaspar e Melchior, celebra o fato de que todos os povos e raças podem se aproximar de Jesus.  Os Magos foram guiados até Belém por uma estrela, que não lhes permitiu retornar pelo caminho do poderoso Herodes

ORIGEM DAS FESTAS DO NATAL DE JESUS

O Natal teve origem em festas romanas. Nessa data, os romanos celebravam a chegada do inverno (solstício de inverno). Eles cultuavam o Deus Sol (natalis invicti Solis) e ainda realizavam dias de festividades com o intuito de renovação.

Outros povos celebravam esta data, seja pela chegada do inverno ou pela passagem do tempo.

Os mesopotâmicos celebravam o “Zagmuk”, uma festa pagã em que um homem era escolhido para ser sacrificado. Eles acreditavam que no final do ano alguns monstros despertavam.

A partir do século IV, e com a consolidação do Cristianismo, a festividade do Natal foi oficializada como Natale Domini (Natal do Senhor dia 25/12). Não se sabe ao certo o dia em que Jesus nasceu. Foi escolhida a data de 25/12 como uma forma de cristianizar as festas pagãs romanas, dando-lhes uma nova simbologia, dado que Jesus é a Luz do mundo, o Sol da Justiça para toda a humanidade.

A data 25/12, foi determinada pelo Papa Julius I (337-352). O Imperador Justiniano declarou o Natal como feriado nacional pelo, em 529.

Deste modo, sem estar associada à sua origem pagã, o Natal passou a ser comemorado pelos cristãos e em muitos países não cristãos.

ÁRVORE DO NATAL

A árvore do natal o lembra-nos a árvore da Vida do Gênesis e também o madeiro da Cruz pelo qual Jesus derramou seu sangue para a nossa redenção, onde nasce para a humanidade salvação a nós oferecida pelo Sacrifício de Jesus. Lembra-nos ainda a esperança e a paz que Jesus nos proporciona.

O pinheiro é uma das que sobrevive ao inverno rigoroso, lembrando a perenidade da Salvação de Jesus para todos nós.

Esta árvore tem uma estrela em sua copa, recordando-nos aquela que guiou os Magos até Belém. Ela é desmontada no dia 06 de janeiro, dia dos Reis Magos.

PRESÉPIO

O primeiro presépio data do século XIII e foi montado por São Francisco de Assis. Simboliza a união do divino com o terreno, mostrando Jesus nascendo entre pessoas, animais, um Deus Conosco, o Emanuel que se fez Homem para a nossa salvação.

O presépio representa o nascimento do Menino Jesus ao lado de José e Maria, seus pais. Na cena, também estão presentes animais como burro, ovelha e boi.

O Presépio representa o nascimento do Menino Jesus, o Deus Menino que nasceu entre nós, armou a sua tenda bem dentro dos humildes e pobres.

Ceia de Natal

A origem da ceia de natal tem origem europeia. Simboliza a união e a confraternização das famílias. Assim, na véspera de Natal, os familiares, depois de terem participado da Novena e da Eucaristia, se reúnem à mesa para a tradicional ceia de Natal, numa convivência alegre e fraterna, que une ainda mais a família e os amigos.

Para os cristãos e católicos as festas natalinas nos falam de amor, de família unida, de encontros festivos e alegres.

No Natal celebramos a chegada de Jesus, nascido da Virgem Maria, em Belém de Judá.

No Natal hoje celebramos a vinda de Jesus em cada um de nossos corações, nas famílias e na sociedade.

No Natal celebramos a segunda vinda de Jesus que virá para o Juízo final e salvar aqueles que viveram as Bem-aventuranças e a fraternidade, construindo uma sociedade baseada na caridade e na justiça.

Pe. Geraldo Ildeo Franco