FESTAS JUNINAS NO BRASIL

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

As festas juninas no Brasil acontecem em honra de Santos populares como os santos Antônio, João Batista, Pedro e Paulo. Elas têm origem no Hemisfério Norte, no tempo do verão, no solstício, o dia mais longo do ano, ou seja, na menor noite do ano.

O solstício da Europa acontece em junho, não no Brasil tropical. Como nós importamos os festejos juninos da Europa, aqui no Brasil nós fazemos as festas folclóricas em junho, apesar de não ser o tempo do solstício do ano solar; talvez por coincidir com as festas de Santo Antônio, de São João Batista e de São Pedro e Paulo.

ORIGENS

 De origem europeia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã "sempre verde", que se tornou a famosa árvore de natal, as fogueiras de junho tornaram-se, pouco a pouco, na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia.

Os antigos romanos realizavam um festival folclórico em honra do deus Summanus em 20 de junho.

Na Wicca, celebravam-se as suasfestas folclóricas no dia mais longo e a noite mais curta do ano, a partir do calendário celta de 13 meses, sem data fixa.

CRISTIANIZAÇÃO

 É pagã a origem das festas juninas, no solstício, midsommar. No cristianismo a festa é associada ao nascimento de João Batista. Ocorre seis meses antes do Natal conforme o Evangelho de Lucas (Lucas 01, 26 e Lucas 1,36). Implica que João Batista nasceu seis meses antes de Jesus, embora a Bíblia não diga em que época do ano isso aconteceu.

 No século VII, Santo Elígio, ano 659, advertiu aos recém-convertidos habitantes de Flandres contra as antigas celebrações pagãs do solstício, ao dizer: "Nenhum cristão deve participar da festa de São João ou da solenidade de qualquer outro santo e realizar solestitia [ritos do solstício de verão] ou dançar, pular ou entoar cantos diabólicos".

Conforme o cristianismo se propagou por regiões de tradição pagã, as celebrações do midsommar foram transformadas em novos feriados cristãos, muitas vezes resultando em celebrações que misturavam tradições cristãs com tradições derivadas de festividades pagãs.

FOLCLORE DE JUNHO

. As festas juninas no Brasil nasceram diretamente de Portugal: a Festa de Santo Antônio, a Festa de São João e a Festa de São Pedro e São Paulo principalmente. A música e os instrumentos usados (cavaquinho, sanfona, triângulo ou ferrinhos, reco-reco etc.) estão na base da música popular e folclórica portuguesa. Foram trazidos ao Brasil pelos povoadores e imigrantes do país irmão. As roupas caipiras ou saioloas são uma clara referência ao povo campestre que povoou principalmente o nordeste do Brasil. Encontramos muitíssimas semelhanças no modo de vestir caipira no Brasil e em Portugal. Do mesmo modo, as danças com fitas e as decorações com que se enfeitam os arraiais iniciaram-se em Portugal, junto com as novidades que, na época dos descobrimentos, os portugueses trouxeram da Ásia, tais como enfeites de papel, balões de ar quente e pólvora.

Embora os balões tenham sido proibidos em muitos lugares do Brasil, eles são ainda usados na cidade do Porto em Portugal com muita abundância e o céu se enche com milhares deles durante toda a noite.

O povo brasileiro, talvez principalmente o nordestino, é rico em folclore, cultura, música, dança e comidas típicas. No Nordeste o mês de junho é todo tomado pelas festas juninas: arraiais, fogueiras, fogos, quadrilhas, danças, com músicas com encontros das famílias e das comunidades para suas comemorações folclóricas. Mesclam o religioso, as lendas, mitos e as estórias bem como os costumes do povo num rico festival de cultura e de vivências que alegram toda a população.

OBSERVAÇÃO: Wicca é uma religião politeísta, dualista, neopagã,- das mais antigas do mundo - influenciada por crenças pré-cristãs e práticas da Europa ocidental que afirma a existência do poder sobrenatural (como a magia) e os princípios físicos e espirituais masculinos e femininos que interagem com a natureza, e que celebra os ciclos da vida e os festivais sazonais, conhecidos como Sabbats, os quais ocorrem, normalmente, oito vezes por ano.

 

Pe. Geraldo Ildeo Franco – junho 2017