PRIMEIRA CARTA DE PAULO AOS TESSALONICENSES

PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

ÁGUAS, BELA VISTA, CARIRU, CASTELO, VILA IPANEMA - IPATINGA / MG.

O Padroeiro: Sagrado Coração de Jesus

 

 

 

 

 Tessalônica era a capital da província romana da Macedônia, importante pela sua localização privilegiada, pelo mar e pelas importantes estradas para as viagens do comércio.

Paulo fundou a igreja em Tessalônica logo depois que ele deixou a comunidade filipense. – 2,1-2 e Atos 17,1-8. Embora Atos fale que o seu primeiro contato com Tessalônica tenha sido na Sinagoga, I Tess é dirigida aos fieis dos gentios.  -1,9.

Esta carta, com cinco capítulos, reflete a vida de uma comunidade convertida, dedicada à sua fé e fortemente zelosa de sua separação da sociedade na qual os seus membros tinham ainda recentemente encontrado seus modelos e valores. Ao mesmo tempo, era também uma comunidade ameaçada pelas pressões sociais e muitas vezes por dura perseguição para retornar à vida da qual eles haviam saído.

Paulo escreveu para encorajar a igreja de Tessalônica, lembrando que a oposição naturalmente é esperada –3,3. Expressa sua satisfação pela dedicação consciente dos tessalonicenses – 1,6; 3,6-10. Escreveu para defender a si mesmo das acusações sobre sua vida e trabalho – 2,1-12. Mostra claramente seu amor pela comunidade de Tessalônica como faz uma enfermeira ou os pais.  – 2, 7,11.  Paulo liga sua situação à deles lembrando ter enviado Timóteo – 3,1-10 - a eles e de sua própria resposta para encorajar a comunidade. Isto é seguido pelas admoestações éticas que enfatizam a santidade ou à pertença a Deus, como sua necessidade de agir em tal caminho para dar uma boa impressão e testemunho aos de fora – 4,1-12.

 Outro tema importante de I Tessalonicenses é uma resposta a questões da escatologia que estavam confundindo a comunidade, isto é, questões a respeito do fim de nossa vida terrena.

Alguns tessalonicenses estavam perplexos por causa da morte de fieis e se perguntavam se aqueles que haviam morrido seriam excluídos da vida da ressurreição.

Paulo afirma a verdade da ressurreição com uma narração do estilo apocalíptico, com uma história de eventos da chamada e do tempo final. Afirma mais claro que não é vantagem estar vivo quando do retorno do Cristo. Melhor é ir ao encontro do Senhor Jesus.

Todo os fies estarão com o Senhor para sempre. – 4,13-18. Esta seção mostra que Paulo e seus leitores tinham uma expectativa de um fim muito próximo. Mas Paulo segue com outra postura. Expressa numa linguagem tradicional e apocalíptica, enfatizando que ninguém pode predizer o tempo exato do fim – 5,1-11. Estas seções em linguagem apocalíptica são comparadas com a I Carta de Paulo aos Coríntios em que se fala sobre pontos fundamentais a respeito do fim – I Coríntios 15.

Em uma passagem da carta paulina, as dificuldades da Igreja dos tessalonicenses são comparadas às das Igrejas da Judeia – 2,13-16. Esta passagem, tão complicada das igrejas da Judeia é sustentada por muitos mestres como um acréscimo posterior à Carta de Paulo aos Tessalonicenses.É um acréscimo, não só pela linguagem anti-judaísmo, não como Paulo escreve, mas por causa da passagem que introduz uma linguagem diferente conforme os agradecimentos no modelo da carta.

Embora Paulo tenha enviado Timóteo para Tessalônica saindo de Atenas – 3,1-2 - parece que foi de Corinto, quando ele escreveu a I carta aos Tessalonicenses, talvez perto do ano 50.

A carta I Tessalonicenses provavelmente é o primeiro escrito do Novo Testamento.

PONTOS DE REFERÊNCIA

Ano 33: ressurreição de Jesus.

Ano 42: conversão de Paulo ao cristianismo.

Ano 52: Paulo escreve a carta I Tessalonicense. Escreveu em grego para que todos os povos pudessem lera mensagem do Cristo da fé, ressuscitado, presente hoje e sempre na humanidade.

Ano 65: João Marcos escreve o Evangelho.

O Novo Testamento, a Nova Aliança, depois de Jesus Cristo, tem 27 livros inspirados por Deus e adotados pela igreja como sagrados e fundamentais para a fé cristã.

Observação: as datas sobre os eventos bíblicos são aproximadas.

Padre Geraldo Ildeo Franco – setembro 2017