13/07 Notícias da Igreja 23 Seminaristas do Regional Leste 2 estão participando do 4º Congresso Missionário Nacional em João Pessoa (PB)
Compartilhar

O coordenador do Conselho Missionário Regional (COMIRE), Pe. José Eduardo Aparecido Silva, e o coordenador do Conselho Missionário de Seminaristas (COMISE), Seminarista Richard Oliveira, e outros 23 seminaristas do Regional Leste 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estão na Paraíba para refletir sobre a vida missionária da Igreja.

“Recebereis a força do Espírito Santo que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria e até os confins do mundo” (At 1,8). Com essa frase o secretário geral da Pontifícia União Missionária em Roma, Pe. Dinh Nhue Nguyem OFMConv, iniciou, na terça-feira (12), o 4º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas (4COMINSE). O congresso tem como tema “Missão ad gentes na formação de seminaristas” e o lema “Sereis minhas testemunhas até os confins da terra” (At 1,8).

O Padre abordou o tema “Porque e para quê a missão ad gentes?”, a partir da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Missões 2022. A primeira manhã do Congresso também teve um painel temático e partilhas sobre experiências missionárias.

Abordando o documento do Papa Francisco, o padre expôs para os seminaristas que todo cristão deve construir sua vida pessoal levando em consideração a importância da missão. “Os discípulos são enviados não apenas para fazer missão, mas para vive-la, para ser uma autêntica testemunha. A missão não se restringe a apenas uma atividade da Igreja. A Igreja é missão”, explicou.
O padre destacou o amor como a primeira motivação que deve conduzir o cristão a testemunhar. A obra de evangelização deve surgir a partir da experiência de ser salvo por Jesus, para que se testemunhe com palavra e ações, em todos os lugares. A expressão presente em At 1, 8, “até os confins do mundo”, pede para os cristãos irem sempre mais além, mantendo vivo o espírito de evangelização na Igreja.

Painel temático

Após a conferência, a superiora provincial das Irmãs da Imaculada, Ir. Regina da Costa Pedro PIME, abriu o primeiro painel temático do Congresso falando sobre quatro formas para se realizar a missão ad gentes. De acordo com a religiosa, a primeira maneira é como uma testemunha, o que ressalta a importância do exemplo da vida cristã. A segunda forma deve ser uma combinação de ousadia e humildade. A terceira maneira deve ser sempre em saída, indo mais longe, para que a evangelização alcance o maior número de pessoas. Por fim, a missão também deve ser realizada com abertura à ação do Espírito Santo.

O Padre Antônio Niemiec, CSsR encerrou o painel temático falando sobre a missionariedade como indicativo de maturidade do candidato ao sacerdócio. Um seminarista que não está aberto à missão exigida pela Igreja demonstra ainda uma fé imatura. Ele ressaltou que todos os cristãos são consagrados à missão, pelo Batismo e que negar essa identidade é negar a própria Fé.

Experiência missionária

De acordo com o Seminarista Richard Oliveira, foi possível realizar uma articulação ainda maior com os Comise’s das (Arqui)Dioceses do Regional Leste 2. “Estarmos no congresso com 23 representantes do Estado de Minas Gerais. Os momentos de encontro de culturas, troca de experiencias e de reflexão missionária tem sido muito rico e profundo”, afirmou.

“Destaco também uma fala do secretário geral da Pontifícia União Missionária em Roma, Pe. Dinh Nhue Nguyem OFMConv: ‘o método da Missão é o testemunho. Somos chamados a transbordar Jesus. As pessoas de hoje – citando Paulo VI – escutam com mais boa vontade as testemunhas que os mestres. Ouvirão os mestres, se também forem testemunhas’”, concluiu.

Com informações da Pontifícias Obras Missionárias (POM)

CNBB Leste 2