13/08 Notícias da Igreja Cardeal Brenes pede que fiéis ajudem a restaurar capela alvo de ataque
Compartilhar

O arcebispo de Manágua agradeceu em um anota a quantos manifestaram sua solidariedade pelo ocorrido e dá a conhecer as formas como todos podem contribuir para a reestruturação da capela do Sangue de Cristo, ao mesmo tempo em que exorta os fiéis a rezar constantemente e a permanecer unidos.

Vatican News

A Arquidiocese de Manágua, na Nicarágua, convida os fiéis a apoiarem a reconstrução e restauração da capela do Sangue de Cristo, na Catedral da Imaculada Conceição, gravemente danificada no dia 31 de julho por um incêndio criminoso. Um homem foi visto jogando um coquetel molotov e um antigo Crucifixo do século 17 foi destruído.

Em nota, o cardeal Leopoldo José Brenes, agradece a quantos manifestaram sua solidariedade pelo ocorrido e dá a conhecer as formas como todos podem contribuir para a reestruturação da capela do Sangue de Cristo. Por fim, o purpurado exorta os fiéis a rezar constantemente e a permanecer unidos.

No Angelus do dia 2 de agosto, o Papa Francisco expressou sua proximidade ao povo nicaraguense:

“Penso no povo da Nicarágua que sofre por causa do atentado à catedral de Manágua, onde foi muito danificada, quase destruída, a imagem tão venerada de Cristo, que acompanhou e sustentou durante os séculos a vida do povo fiel. Queridos amigos nicaraguenses, estou próximo de vocês e rezo por vocês”.

Também os bispos dos Estados Unidos se uniram à firme condenação do ataque incendiário, um ato definido pelo cardeal Leopoldo José Brenes como”uma ação terrorista” e que suscitou forte indignação em toda a Igreja da América Latina e no mundo.

“Junto com o Papa Francisco e nossos confrades na América Latina, condeno este ato sacrílego”, declarou em nome dos bispos estadunidenses dom David J. Malloy, presidente da Comissão para a Justiça e a Paz Internacional da Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB).

“O crucifixo alvo do ataque tornou-se uma imagem tocante da Igreja sofredora no país que, desde a tentativa de mediar a paz em 2018, sofreu repetidos ataques verbais e físicos”.

Vatican News Service – TC