11/01 Notícias da Igreja O Papa aprecia a generosidade da Arquidiocese de Seul
Compartilhar

Numa carta, Francisco agradece à Igreja na Coreia do Sul por enviar mais uma oferta generosa para a campanha de vacinação contra a Covid-19.

Em 23 de dezembro passado, dois dias antes do Natal, o Papa Francisco enviou uma carta de agradecimento ao arcebispo de Seul, Coreia do Sul, dom Peter Chung Soon-taick, na qual manifesta seu apreço pela oferta generosidade de cerca de 1 milhão e 400 mil dólares para a “Campanha de compartilhamento de vacinas” a fim de garantir o acesso justo, rápido e universal às vacinas contra a Covid-19 a todos os países. Esta é a terceira doação que eleva para 3 milhões e 400 mil dólares a quantia arrecadada e doada ao Vaticano.

Ouça e compartilhe

Agradecimento pelo gesto de generosidade

“Apreciei muito este gesto de generosidade feito nestes dias em que nos preparamos para celebrar o Mistério do nascimento de Jesus Cristo, nosso Senhor e nossa Esperança. Asseguro minha proximidade espiritual a toda a comunidade diocesana de Seul”, escreve o Papa no texto. Francisco envolveu a Esmolaria Apostólica na distribuição de ajuda às pessoas que mais precisam. Na conclusão de sua carta, o Papa oferece sua bênção e pede para rezar por ele.

Vacina para todos

A “Campanha de compartilhamento de vacinas” foi lançada pelo arcebispo emérito de Seul, cardeal Andrew Yeom, e se concluiu em 27 de novembro de 2021, último dia do Jubileu dos 200 anos do nascimento de Santo André Kim Tae-gon (1821-1846), primeiro sacerdote católico do país, decapitado em Seul em 16 de setembro de 1846, durante a onda de perseguições perpetradas pela dinastia Joseon.

Santo André é um dos 103 mártires coreanos canonizados em 6 de maio de 1984 por São João Paulo II. A arquidiocese comunica que continuará ajudando as pessoas carentes de todo o mundo. A campanha de solidariedade foi confirmada pela Conferência Episcopal Coreana (Cbck) no final de sua Assembleia Geral realizada de 8 a 12 de março de 2021, com o objetivo de ajudar, principalmente os países mais pobres, a iniciar a vacinação contra o coronavírus em suas respectivas populações.

Benedetta Capelli/Mariangela Jaguraba – Vatican News
Imagem capa: Vatican Media